Internacional

Colômbia pode ter greve geral nesta quarta-feira

Publicados

em

Hoje é o 12º dia de paralisações e protestos na Colômbia. Enquanto o governo de Iván Duque tenta organizar uma ampla agenda de conversas com diversos setores ao longo da semana, o Comitê Nacional de Paralisações anuncia nova greve geral para a próxima quarta-feira (4).

Na semana passada, o presidente colombiano recebeu, na Casa de Nariño, sede do governo, representantes de diferentes setores da sociedade, dispostos a colaborar com o que ele chama de Grande Diálogo Nacional.

Hoje (2), Duque se reunirá com os coordenadores de cada um dos seis eixos de trabalho definidos para este diálogo. Os eixos de trabalho são crescimento, transparência e luta contra a corrupção, educação, paz, meio ambiente e fortalecimento das instituições.

No entanto, o governo vem enfrentando resistência por parte do Comitê Nacional de Paralisações, que discorda da divisãos dos diálogos por temas/eixos.

Para Alejandro Palacio Restrepo, membro do Comitê e presidente da Associação Colombiana de Estudantes da Educação Superior (Acrees), o governo erra ao fazer negociações setorizadas. Integrantes do Comitê exigem uma ampla mesa de negociação e afirmaram que vão continuar com as greves e paralisações enquanto o governo não decidir mudar de estratégia.

Leia Também:  Mau tempo adia lançamento da missão espacial tripulada da SpaceX

Fazem parte do Comitê algumas associações de estudantes e sindicatos de trabalhadores, que têm grande poder de mobilização no país.

O diretor do Departamento Administrativo da Presidência e coordenador do Grande Diálogo nacional, Diego Molano, afirmou que a ideia é continuar com as reuniões de acordo com os eixos definidos com o presidente.

Segundo Molano, o governo se reunirá amanhã (3), com ambientalistas e especialistas em meio ambiente.

Na quarta-feira (4) será a vez do eixo de crescimento. Na quinta (5), o tema será o combate à corrupção e, na sexta-feira (6), serão discutidos os eixos da paz e da educação, que devem abrir espaço para os estudantes e os indígenas.

O governo informou que, ainda esta semana, será lançada uma plataforma digital para que os cidadãos possam enviar suas propostas para o país.

Edição: Maria Claudia
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Internacional

França abrirá bares e praias em segunda fase de flexibilização

Publicados

em

Por


.

A França permitirá a reabertura de restaurantes, bares e cafés a partir de 2 de junho, embora com restrições mais duras em Paris do que em outros lugares, disse o primeiro-ministro Edouard Philippe nessa quinta-feira (28), ao anunciar a próxima fase de flexibilização das restrições impostas devido ao novo coronavírus.

O governo também está suspendendo uma restrição nacional a viagens de mais de 100 quilômetros e reabrirá praias e parques a partir da próxima semana, enquanto tenta reativar a segunda maior economia da zona do euro antes da temporada de turismo de verão.

“A liberdade será a regra, proibições a exceção”, disse Philippe em discurso transmitido pela televisão.

Mais de 28.600 pessoas morreram em decorrência da covid-19 na França. Pelo oitavo dia consecutivo, o número de mortos aumentou em menos de 100.

A disseminação do vírus está diminuindo mais rapidamente do que se esperava, e Paris não é mais considerada uma “zona vermelha” da doença, disse Philippe. Mas o perigo ainda existe e não há espaço para complacência, acrescentou.

Leia Também:  Mortes por coronavírus nos EUA superam marca de 100 mil

A região da grande Paris agora é uma zona “laranja”, o que significa que não está tão livre do vírus como quase todas as outras do país, que foram designadas como “verdes”, e o alívio das restrições será mais cauteloso.

Em todo o país, restaurantes, cafés e bares terão que garantir espaço mínimo de um metro entre as mesas e todos os funcionários devem usar máscaras. Nas zonas “laranja”, eles só poderão abrir áreas ao ar livre.

A França e seus vizinhos europeus vêm diminuindo progressivamente as restrições sem precedentes à vida públic, decretadas no mês passado. Eles querem retomar as economias prejudicadas, mas mantêm a preocupação com uma possível segunda onda de infecções.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo