Novo Cantu - Mundo

Ciclone Idai já matou pelo menos 732 pessoas na África e doenças ameaçam sobreviventes

Publicados

em

Ciclone Idai já matou pelo menos 732 pessoas na África e doenças ameaçam sobreviventes

 

O balanço anterior em Moçambique citava 293 mortos. O ministro do Meio Ambiente moçambicano, Celso Correia, calculou que a região afetada pelo desastre alcança uma superfície de 3.000 quilômetros quadrados.

“É um desastre natural sem precedentes, um desastre que equivale a grandes catástrofes”, afirmou Correia em Beira, a segunda maior cidade do país, parcialmente devastada na passagem do Idai. “Infelizmente, ninguém na região e no mundo consegue prever um desastre de tal magnitude”, completou.

O ciclone chegou ao continente na noite de 14 de março. Dois grandes rios da região, Buzi e Pungue, transbordaram e alagaram cidades inteiras. Só em Moçambique, a tragédia levou 600 mil pessoas a ter de abandonar suas casas. Casos de cólera já foram registrados em Beira.

Médico examina bebê em acampamento imporvisado em Beira para receber os desabrigados em Moçambique.REUTERS/Mike Hutchings

Idai é o ciclone mais forte a afetar a África austral desde o Eline, que em 2000 matou mais de 800 pessoas. Desta vez, além de Moçambique, Malaui e Zimbábue também foram atingidos. No Zimbábue, o número de mortos chega a pelo menos 259 e o de feridos, a 200.

 

Ajuda internacional

O secretário geral da ONU, António Guterres, pediu nesta sexta-feira (22) à comunidade internacional que multiplique suas doações para os milhares de sobreviventes do ciclone, insistindo na necessidade de “solidariedade” nos próximos meses. Guterres observou que se sente “encorajado pelos esforços das equipes de resgate nacionais e internacionais” e disse que “o que é necessário a partir de agora são fundos para apoiar a resposta (ao desastre) nos dias e semanas que vêm”.

“Eu gostaria de fazer um forte apelo à comunidade internacional para enfatizar o apoio” a esses países, destacou, lembrando que a ONU liberou US$ 20 milhões em uma primeira ajuda de emergência. “No entanto, é necessária mais ajuda internacional”, insistiu Guterres.

Nove dias após a passagem do ciclone Idai, Beira, em Moçambique, permanece alagada.REUTERS/Mike Hutchings

Leia Também:  O que há de mudanças climáticas na onda de frio na Europa?

Doenças ameaçam sobreviventes

Depois da liberação do acesso às principais ruas de Beira e o salvamento das pessoas que permanecem bloqueadas em zonas inundadas, “a próxima etapa é facilitar o acesso à água potável, porque o que nos espera são doenças”, declarou a diretora do Unicef, Henrietta Fore, que chegou em Moçambique para constatar os estragos. “O tempo está passando e estamos em um momento crítico”, ressaltou.

Fore evocou “os corpos em decomposição e uma falta de higiene e de instalações sanitárias”, além da água parada e da proliferação de mosquitos.

“Infecções de malária se multiplicam entre os sobreviventes que estão bloqueados em locais alagados”, destacou a Federação Internacional da Cruz Vermelha, em comunicado. “Doenças respiratórias também podem ser um problema sanitário. Continua a chover dentro das casas e, para os desabrigados que estão em escolas ou igrejas, o confinamento favorece à transmissão de doenças como a pneumonia”, alertou a organização Médicos Sem Fronteiras.

 

Fonte: AFP

Avalie esta matéria:

Total de Voto(s): 1 – Média de Voto(s): 0.00

Leia Também:  Edwin Hawkins, cantor gospel do clássico “Oh Happy Day”, morre aos 74 anos

 

 

Mais FM

 

Novo Cantu

 

Com a popularização da internet, hoje disseminada pelos quatro cantos do planeta, um público cada vez maior e variado converge para ela, em busca de informações e oportunidades.

 

© 2019 Todos os direitos reservados a Novo Cantu

Desenvolvido por Agência MACAN

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Novo Cantu - Mundo

O mundo está cansado de mentirosos, de padres da moda, de arautos de cruzadas

Publicados

em

Por

O mundo está cansado de mentirosos, de padres da moda, de arautos de cruzadas

 

Aos novos bispos do curso anual de formação, o papa afirma que fazer pastoral da misericórdia não é fazer liquidação de pérolas. “Não poupem esforços para ir ao encontro do povo de Deus, estejam perto das famílias com fragilidade. Nos seminários, apontem para a qualidade, não para a quantidade. Desconfiem dos seminaristas que se refugiam na rigidez.”

“O mundo está cansado de encantadores mentirosos… e, eu me permito dizer, de padres ou bispos na moda. As pessoas ‘farejam’ e se afastam quando reconhecem os narcisistas, os manipuladores, os defensores das causas próprias, os arautos de cruzadas vãs.”

O Papa Francisco dirigiu um longo discurso aos bispos recém-nomeados, em Roma, para um curso de formação, tocando diversas questões do seu ministério, a partir da necessidade de tornar pastoral – “isto é, acessível, tangível, encontrável” – a misericórdia, que é o “resumo daquilo que Deus oferece ao mundo”.

Os bispos, disse Jorge Mario Bergoglio, devem ser capazes de encantar e de atrair os homens e as mulheres do nosso tempo a Deus, sem “lamentações”, sem “deixar nada de não tentado a fim de alcançá-los” ou “recuperá-los”, e graças aos percursos de iniciação (“Hoje, pedem-se frutos demais de árvores que não foram cultivadas o suficiente”).

Além disso, é necessário vigiar a formação dos futuros sacerdotes, apontando para a “qualidade do discipulado”, e não para a “quantidade” de seminaristas, e usando “cautela e responsabilidade” ao acolher sacerdotes na diocese. Francisco também convidou os novos bispos a estarem perto do seu clero, àqueles que Deus coloca “por acaso” no seu caminho e às famílias com as suas “fragilidades”.

“Perguntem a Deus, que é rico em misericórdia – disse o papa aos 154 novos bispos (16 dos territórios de missão) que participaram do curso anual de formação promovido conjuntamente pela Congregação para os Bispos e pela Congregação para as Igrejas Orientais – o segredo para tornar pastoral a Sua misericórdia nas suas dioceses. De fato, é preciso que a misericórdia forme e informe as estruturas pastorais das nossas Igrejas. Não se trata de rebaixar as exigências ou vender barato as nossas pérolas. Ou, melhor, a única condição que a pérola preciosa dá àqueles que a encontram é a de não poder reivindicar menos do que tudo. Não tenham medo de propor a Misericórdia como resumo daquilo que Deus oferece ao mundo, porque o coração do homem não pode aspirar a nada maior”, disse Francisco, que, sobre a misericórdia como “limite para o mal”, citou Bento XVI, acrescentando duas perguntas retóricas: “Por acaso, as nossas inseguranças e desconfianças são capazes de suscitar doçura e consolação na solidão e no abandono?”.

Para tornar a misericórdia “acessível, tangível, encontrável”, acima de tudo, o papa recordou que “um Deus distante e indiferente pode ser ignorado, mas não resistimos facilmente a um Deus tão próximo e, além disso, ferido por amor. A bondade, a beleza, a verdade, o amor, o bem – eis o que podemos oferecer a este mundo mendicante, ainda que em vasos meio quebrados. No entanto, não se trata de atrair a si mesmos. O mundo – disse Francisco – está cansado de encantadores mentirosos… e, eu me permito dizer, de padres ou bispos na moda. As pessoas ‘farejam’ e se afastam quando reconhecem os narcisistas, os manipuladores, os defensores de causas próprias, os arautos de cruzadas vãs. Em vez disso, tentem ajudar a Deus, que já Se introduz antes ainda da chegada de vocês”.

Nesse sentido, “Deus não se rende nunca! Somos nós, que, acostumados ao rendimento, muitas vezes nos acomodamos, preferindo nos deixar convencer que realmente puderam eliminá-Lo e inventamos discursos amargos para justificar a preguiça que nos bloqueia no som imóvel das lamentações vãs: as lamentações de um bispo são coisas feias”.

Em segundo lugar, é necessário, segundo o papa, “iniciar” aqueles que são confiados aos pastores: “Eu lhes peço para não terem outra perspectiva para olhar os seus fiéis do que a da sua unicidade, de não deixarem nada de não tentado a fim de alcançá-los, de não poupar qualquer esforço para recuperá-los. Sejam bispos capazes de iniciar as suas Igrejas nesse abismo de amor. Hoje – disse Francisco – pedem-se frutos demais de árvores que não foram cultivadas o suficiente. Perdeu-se o sentido da iniciação, e, no entanto, nas coisas realmente essenciais da vida, tem-se acesso apenas mediante a iniciação. Pensem na emergência educativa, na transmissão tanto dos conteúdos quanto dos valores, no analfabetismo afetivo, nos percursos vocacionais, no discernimento nas famílias, na busca da paz: tudo isso requer iniciação e percursos guiados, com perseverança, paciência e constância, que são os sinais que distinguem o bom pastor do mercenário”.

Francisco se debruçou com atenção particular sobre o tema da formação dos futuros padres: “Peço-lhes que cuidem com especial solicitude as estruturas de iniciação das suas Igrejas, em particular os seminários. Não os deixem ser tentados pelos números e pela quantidade das vocações, mas busquem a qualidade do discipulado. Não privem os seminaristas da sua firme e terna paternidade. Façam-nos crescer a ponto de adquirir a liberdade de estar em Deus ‘tranquilos’ e serenos como crianças desmamadas nos braços da sua mãe”; não como presas dos próprios caprichos e escravos das próprias fragilidades, mas livres para abraçar aquilo que Deus lhes pede, mesmo quando isso não parece tão doce quanto o seio materno era no início. E fiquem atentos quando alguns seminaristas se refugiam na rigidez; por baixo, sempre há algo de feio”.

E ainda: “Eu lhes peço também para agirem com grande prudência e responsabilidade ao acolher candidatos ou incardinar sacerdotes nas suas Igrejas locais. Por favor, prudência e responsabilidade nisso. Lembrem-se de que, desde o início, quis-se como inseparável a relação entre uma Igreja local e os seus sacerdotes, e nunca se aceitou um clero vagante ou em trânsito de um lugar para outro. E essa é uma doença dos nossos tempos”.

Por fim, o papa pediu que os bispos sejam “capazes de acompanhar”, citando, a esse respeito, a parábola do bom samaritano: “Sejam bispos com o coração ferido por tal misericórdia e, portanto, incansável na humilde tarefa de acompanhar o homem que, ‘por acaso’, Deus colocou no seu caminho”.

E, ainda, recomendou o papa aos novos bispos, “acompanhem por primeiro, e com paciente solicitude, o seu clero” e “reservem um acompanhamento especial para todas as famílias, regozijando-se com o seu amor generoso e encorajando o imenso bem que elas dispensam neste mundo. Acompanhem sobretudo as mais feridas. Não ‘passem ao largo’ diante da sua fragilidade”.

“Fico alegre por acolhê-los e por poder compartilhar com vocês alguns pensamentos que vêm ao coração do sucessor de Pedro, quando vejo diante de mim aqueles que foram ‘pescados’ pelo coração de Deus para guiar o Seu povo santo”, tinha iniciado o papa.

“Deus os livre de tornar vão tal frêmito, de domesticá-lo e esvaziá-lo da sua potência ‘desestabilizadora’. Deixem-se desestabilizar, é bom para um bispo”, disse Francisco.

“Muitos, hoje, se mascaram e se escondem. Eles gostam de construir personagens e inventar perfis. Tornam-se escravos dos parcos recursos que recolhem e aos quais se agarram como se bastassem para comprar o amor que não tem preço. Não suportam o frêmito de se saberem conhecidos por Alguém que é maior e não despreza o nosso pouco, é mais Santo e não culpa a nossa fraqueza, é realmente bom e não se escandaliza com as nossas chagas. Não seja assim para vocês”, concluiu: “Deixem que tal frêmito percorra vocês. Não removam-nos nem o silenciem”.

 

Fonte: Aleteria.org

Leia Também:  Edwin Hawkins, cantor gospel do clássico “Oh Happy Day”, morre aos 74 anos
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo