Política Nacional

Bolsonaro aumenta vantagem e segue como principal nome para eleição de 2022

Publicados

em

source
Bolsonaro arrow-options
Carolina Antunes/PR

Segundo pesquisa, avaliação de Bolsonaro melhorou e ele se manteve em primeiro entre possíveis nomes para 2022

Apesar de ter dito, durante a campanha eleitoral, que não pensava em reeleição, Jair Bolsonaro já começa a dar sinais de que pretende concorrer em 2022. Caso defina por este caminho, o presidente deve ter o apoio de boa parte da população: segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (13) pela Veja/FSB, ele ampliou a vantagem sobre os principais adversários no primeiro turno e agora soma 37% das intenções de voto.

Leia também: ‘Nada contra os civis’, diz Bolsonaro após Planalto ficar só com militares

Em um primeiro cenário, com Fernando Haddad como o candidato do PT, os números mostram que Bolsonaro , no comparativo com o levantamento anterior, cresceu 4%, enquanto seus maiores perseguidores permaneceram estagnados: o petista desceu de 15% para 13%, enquanto Luciano Huck (sem partido), com 12%, e Ciro Gomes (PDT) somando 11%, mantiveram os mesmos patamares. Além destes, a opção ‘nenhum’ também foi bastante votada e somou 16%.

Em um segundo cenário, já com o ex-presidente Lula como o nome escolhido pelo PT , a vantagem de Bolsonaro diminui, mas o mantém na liderança: ele soma 31% contra 28% do petista, o que configura um empate técnico na margem de erro. Em um hipotético segundo turno entre eles, o atual presidente também venceria, com 45% dos votos contra 41% do rival.

Leia Também:  Para debatedores, sistema tributário acentua desigualdades

Entretanto, tal construção não é possível devido a inelegibilidade de Lula. Enquadrado na Lei da Ficha Limpa, que barra candidaturas de condenados em segunda instância, o ex-presidente não pode concorrer no pleito de 2022 e deve ser mais um cabo eleitoral para o nome escolhido pelo Partido dos Trabalhadores.

Folga maior no segundo turno

Em um cenário sem o ex-presidente, que segue sendo o principal rival, Bolsonaro garantiria a reeleição com maior folga em confrontos com Haddad (51% a 33%), o governador de São Paulo João Doria (50% a 25%) e o apresentador Luciano Huck (45% a 37%). A pesquisa mostra que o único nome que poderia bater de frente com ele seria o de Sérgio Moro , figura mais bem avaliada do atual governo.

Leia também: Nomeações de Braga Netto e Onyx Lorenzoni são publicadas no Diário Oficial

O ministro da Justiça, inclusive, é o nome com menor rejeição entre os disponibilizados aos entrevistados. Moro teve 31%, contra 44% de Bolsonaro, 51% de Doria, 54% de Ciro Gomes e Lula e 57% de Haddad, que ficou na primeira posição dos mais rejeitados pela população.

Melhora na avaliação

A pesquisa mostrou também uma melhora na avaliação feita pela população do atual governo . O levantamento apontou melhora de 31% para 36% entre os que avaliaram o trabalho de Bolsonaro como bom ou ótimo. Esta é a primeira vez que o ranking positivo supera o ruim/péssimo, que somou 31%. Nesta conta, entra também a avaliação dos que aprovam o governo e já são maioria: 50% contra 44% de não aprovação.

Leia Também:  Brasil celebra Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência nesta segunda-feira

Também houve aumento no quesito alinhamento de expectativas do eleitorado. Pela primeira vez, o grupo de pessoas que se diz positivamente surpresos com o governo Bolsonaro empatou tecnicamente com os que se dizem decepcionados com o trabalho do presidente: 36% a 39%, dentro da margem de erro considerada.

Por fim, houve crescimento positivo sobre a expectativa para o final do mandato de Bolsonaro. As avaliação ótimo e bom subiram de 45% para 48%, enquanto os que votaram em ruim ou péssimo somaram 26% ante os 33% da pesquisa anterior.

Leia também: Quem é Mayor Pete, o religioso, gay e ex-militar que quer ser presidente dos EUA

O Instituto FSB Pesquisa entrevistou, por telefone, 2.000 eleitores com idade a partir de 16 anos, nos 26 estados e no Distrito Federal, entre os dias 7 e 10 de fevereiro. A margem de erro do levantamento é de 2 pontos porcentuais, para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de ex-deputada

Publicados

em

Por


source

Agência Brasil

deputada
Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

Em nota divulgada após a deflagração da operação, Cristiane Brasil disse que é vítima de perseguição política


O ministro Joel Ilan Paciornik, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou, nesta sexta-feira (18), que a Justiça do Rio de Janeiro examine, em 24 horas, o pedido de liberdade da ex-deputada federal Cristiane Brasil .


Ela está presa desde a semana passada em função de investigações sobre um suposto esquema de desvio de recursos públicos em contratos da área de assistência social no estado e no município do Rio de Janeiro, entre 2013 e 2018. Cristiane é filha do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson.

A decisão foi motivada por um pedido da defesa para que os pedidos de habeas corpus protocolados no Tribunal de Justiça do Rio sejam analisados.

Leia Também:  Qualidade de alimentos consumidos pelos brasileiros é tema de projetos que tramitam no Senado

Segundo o Ministério Público (MP), as investigações que levaram à prisão da ex-deputada constataram fraudes em contratos para diversos projetos sociais na Fundação Leão XIII, entidade estadual voltada para o atendimento a populações de baixa renda e moradores de rua do Rio de Janeiro, e também nas secretarias municipais de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida e de Proteção à Pessoa com Deficiência do Rio de Janeiro, de 2013 a 2018.

Ainda de acordo com o MP, a organização criminosa era composta por três núcleos, o empresarial, o político e o administrativo, atuando para que fossem direcionadas licitações no município do Rio e no estado, visando à contratação fraudulenta das empresas Servlog Rio e Rio Mix 10, mediante o pagamento de propina a servidores públicos, que variava de 5% a 25% do valor do contrato.

Em nota divulgada após a deflagração da operação, Cristiane Brasil disse que é vítima de perseguição política . “Tiveram oito anos para investigar essa denúncia sem fundamento, feita em 2012 contra mim, e não fizeram, pois não quiseram”, declarou. 

Leia Também:  PF intima Sergio Moro a depor em inquérito sobre atos antidemocráticos

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo