Internacional

Bolivianos rejeitam violência às vésperas de eleição tensa

Publicados

em


Bolivianos das áreas mais ricas de La Paz começaram a armazenar suprimentos essenciais e a fazer fila para comprar gás antes da eleição presidencial deste domingo (18), temendo a volta dos conflitos letais que se seguiram à votação conturbada do ano passado.

Aquela eleição, depois anulada, levou à renuncia de Evo Morales, líder de esquerda, e mergulhou o país em um vácuo político precário – um governo conservador interino que não foi eleito está no poder desde então.

Agora os 7,3 milhões de eleitores da Bolívia estão em uma encruzilhada enquanto o país sofre com a pandemia de coronavírus: a volta do partido socialista de Morales ou uma guinada para o candidato de centro Carlos Mesa, um ex-presidente que ficou em segundo lugar em 2019.

Muitos, porém, querem simplesmente evitar o derramamento de sangue do ano passado, quando ao menos 30 pessoas foram mortas.

“Quero paz. Chega de confusão. Não queremos mais sangue derramado. Nenhum sangue de nenhum partido político”, disse Sandra Rivero, cujo parente Marcelo Terrazas perdeu a vida em meio à violência do ano passado.

Leia Também:  Reino Unido louva abordagem "escalonada" contra a covid

A votação de domingo agora será uma repetição daquela de 2019. Luis Arce, candidato do partido socialista e aliado próximo de Morales, aparece nas pesquisas de opinião à frente de Mesa, mas aparentemente não com uma vantagem suficiente para evitar um segundo turno em 29 de novembro.

A votação, que será presencial com protocolos de saúde por causa da pandemia de coronavírus, começará na manhã de domingo, e os primeiros resultados devem sair perto das 20h locais.

A capital administrativa La Paz é uma cidade dividida radicalmente por classe e raça. Os mais ricos e mais brancos moram na parte inferior, fundada por espanhóis em uma altitude na qual o oxigênio é mais abundante e a temperatura é mais alta. Quanto mais se sobe, mais pobreza se vê.

Na abastada Zona Sur, motoristas esperaram até uma hora para encher os tanques nesta sexta-feira, e grupos de WhatsApp ferviam com iniciativas frenéticas de medidas de segurança.

“As pessoas sofreram muito no ano passado”, disse Freddy Chipunavi, açougueiro do mercado de classe média de Collasuyo, acrescentando que nos últimos dias vendeu 70% a mais de carne bovina a clientes que temem a escassez de alimentos vista no ano passado devido ao bloqueio de estradas.

Leia Também:  Inglaterra retoma lockdown após casos de covid-19 passarem de 1 milhão

Muitos bolivianos criticam Morales por se aferrar ao poder durante tempo demais e de contornar limites constitucionais. Outros dizem que ele foi deposto por um golpe, e seu partido alertou para uma repetição, atiçando tensões durante uma campanha tensa.

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, ex-presidente chilena, disse em um comunicado na sexta-feira que ninguém quer ver uma repetição das “extensas violações e abusos aos direitos humanos” de 2019.

“É essencial que todos os lados evitem novos atos de violência que possam desencadear um confronto”, disse ela.

(Reportagem adicional da Reuters TV e de Daniel Ramos)

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Internacional

Padre ortodoxo é baleado ao fechar igreja na cidade francesa de Lyon

Publicados

em

Por


Um padre ortodoxo foi baleado neste sábado (31), na cidade de Lyon, no sudoeste da França, quando fechava as portas da igreja.

Em uma nota que a prefeitura regional de Auvergne-Rhône-Alpes e do Rhône reproduziu em sua conta no Twitter, a Procuradoria da República em Lyon informa que o crime ocorreu por volta das16h (12h em Brasília).

De acordo com a nota, vizinhos e guardas municipais que estavam próximos da Igreja Ortodoxa Helênica ouviram o som de dois tiros. Testemunhas relataram ter visto um homem fugindo do local e encontrado o padre, de 52 anos, ferido a bala.

Ainda segundo o texto compartilhado pela prefeitura regional, o padre foi socorrido e levado para um hospital, e a Promotoria de Lyon já instaurou um inquérito para apurar as causas e o responsável pelo atentado. “Nesta fase, nenhuma hipótese é descartada.”

Na última quinta-feira (29), um homem armado com uma faca atacou um grupo de pessoas que estava em uma igreja da cidade francesa de Nice, a cerca de 480 quilômetros de Lyon. Três pessoas morreram, entre elas, a brasileira Simone Barreto Silva, de 44 anos, que vivia na França e deixou três filhos.

Leia Também:  Proximidade de tufão faz Filipinas retirarem 1 milhão de suas casas

De acordo com as autoridades francesas, o autor do ataque à igreja de Nice é um tunisiano recém-chegado ao país e que, ao invadir o templo, gritou: “Allahu Akbar” (Deus é maior).

O caso, que está sendo investigado como um ato de terrorismo, elevou o nível de tensão na França, onde, no último dia 16, um professor foi decapitado por um suposto extremista islâmico após mostrar caricaturas do profeta Maomé aos alunos, durante uma aula sobre liberdade de expressão. Segundo a imprensa francesa, o professor Samuel Paty comentava o julgamento dos acusados de ter participado do ataque ao jornal satírico Charlie Hebdo, em 2015, no qual as caricaturas foram publicadas.

Após o ataque à igreja de Nice e a confirmação de que, entre as vítimas, havia uma brasileira, o Ministério das Relações Exteriores divulgou nota de repúdio em que também tratou o caso como um ato de terrorismo.

“O Brasil expressa seu firme repúdio a toda e qualquer forma de terrorismo, independentemente de sua motivação, e reafirma seu compromisso de trabalhar no combate e erradicação desse flagelo, assim como em favor da liberdade de expressão e da liberdade religiosa em todo o mundo”, disse o Itamaraty em nota.

Leia Também:  Famoso por interpretar 007, Sean Connery morre aos 90 anos

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo