Carros e Motos

BMW Série 3 completa 45 anos, após 7 gerações e diversas variações

Publicados

em


source
BMW
Divulgação

BMW Série 3: Há 45 anos, em 1975, surgia o primeiro sedã de entusiastas automotivos, unindo desempenho, praticidade e tecnologias

Depois de muitas mudanças, desenvolvimento tecnológico, além de melhorias no desempenho, na segurança e na eficiência, o BMW Série 3 completa 45 anos de vida. Após sete gerações, trata-se de um dos ícones mais bem sucedidos da fabricante alemã. A primeira geração surgiu em julho de 1975 e ficou no mercado até 1983. O design foi assinado por Paul Bracq, que liderou os estúdios da BMW entre 1970 e 1974 e que foi o responsável pelo protótipo BMW Turbo, resultando no BMW M1.

Com duas portas e traseira que se diferenciava muito do habitual para a categoria, o BMW Série 3 tinha 4,355 m de comprimento, 1,610 m de largura, 1,380 m de altura e 2,563 mm de distância entre-eixos. Muito inspirado no Série 5, foi lançado com uma família de motores de quatro cilindros, com 1,6, 1,8 e 2,0 litros. Esse motor, que permaneceu até 1987, foi baseado no lendário bloco M 10, com o qual Nelson Piquet chegou ao bicampeonato de Fórmula 1 em 1983, com um Brabham-BMW Turbo.

Leia Também:  Nova Harley-Davidson feita em parceria com chineses é revelada

Nessa época, os Série 3 tinham a cilindrada indicada pelo próprio nome da versão. Assim, o 316 era 1.6 de 90 cv, o 318 era 1.8 de 98 cv e o 320 era 2.0 de 109 cv. Todos equipados com carburadores solex, mas o 320i trazia o inédito sistema de injeção eletrônica, que oferecia um considerável aumento na eficiência e elevação da potência para 125 cv.

Além disso, o Série 3 foi o primeiro sedã médio a usar um motor de seis cilindros em linha, equipado nos modelos 320/6 e 323i. O último vinha com 2,3 litros e 143 cv. Já o 320/6 utilizou o bloco de seis cilindros 2.0, também com injeção. Em 1978, o 316 passou a usar o bloco de 1,8 litro de 90 cv e o 318i lançou um sistema de injeção para que sua potência fosse aumentada para 105 cv.

Em 1981, por exemplo, surgiu o BMW 315, que tinha motor 1.6 de apenas 75 cv. Era uma versão de entrada oferecida pela marca. Naquele menos ano, em maio, a BMW chegou à marca de 1 milhão de Série 3 produzidos. No Brasil, o modelo foi um dos primeiros importados a chegar, após as aberturas no governo Collor. O primeiro foi o 325i.

Em 2014, o BMW Série 3 passou a ser produzido no Brasil, na fábrica de Araquari (SC), na versão ActiveFlex. Hoje são fabricadas as versões 320i GP, 320i Sport GP, 320i M Sport e 330i M Sport. Além dessas versões, chegam importados os 320i Sport, 330e M Sport (híbrido plug-In) e M340i xDrive. O BMW 320i é o líder de sua categoria, com 2.130 unidades emplacadas este ano (até 30 de julho). Já o 330i tem 122 vendas registradas pela Fenabrave.

Leia Também:  Caoa Chery Tiggo 8 chega ao Brasil a partir de R$ 156.900
Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Carros e Motos

Segunda via da CNH pode ser pedida pela internet sem sair de casa

Publicados

em

Por


source
CNH
Divulgação

Aplicativo para celular vai permitir acessar a CNH em todo o Brasil sem precisar ir ao Detran

Aqueles que perderam ou tiveram a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) roubada ou furtada neste período da pandemia do Covid-19 têm a opção de pedir uma segunda via digital do documento, que é acessada por meio do aplicativo Carteira Digital de Trânsito e tem o mesmo valor da via de papel.

A opção é válida desde o mês passado mesmo para as habilitações emitidas antes de maio de 2017, que não contavam com o QR Code anteriormente necessário para a ativação do serviço. Para obter a segunda via digital, é preciso que a CNH não esteja nem suspensa e nem cassada, ou que não haja a necessidade de alteração de dados pessoas como sobrenome, endereço e a inclusão do exercício de atividade remunerada.

CNH
Divulgação

Com a nova medida os motoristas vão economizar tempo para conseguir uma segunda via da CNH

Depois de fazer o pagamento da taxa de emissão da segunda via na rede bancária, que em São Paulo é de R$ 45,56, é necessário fazer um cadastro no Portal de Serviços Denatran, para onde até o dia seguinte do pagamento da taxa será enviado para o e-mail cadastrado um código para acessar a CNH digital.

Leia Também:  Volkswagen Passat deixa de ser vendido no Brasil depois de 46 anos

É possível ainda o pagamento da taxa de envio da CNH impressa pelos Correios. A promessa do Detran.SP é que a via impressa do documento será enviada para o endereço de cadastro após a normalização dos atendimentos presenciais.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo