Política Estadual

Autorização prévia da Assembleia Legislativa para negócios da Sanepar é defendida por deputado

Publicados

em


.

Na sessão remota da Assembleia Legislativa do Paraná desta quarta-feira (8), o deputado Soldado Fruet (PROS) defendeu que o povo paranaense, através dos seus 54 representantes eleitos, participe das decisões relativas a novos negócios da Sanepar, a exemplo do que já reivindica desde o ano passado em relação às transações da Copel. Com este objetivo, o deputado anunciou que vai apresentar uma emenda modificativa ao Projeto de Lei 416/2020, que altera a Lei Estadual 4.684/1963 que trata da constituição por ações da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), para que a Assembleia Legislativa autorize previamente a criação de subsidiárias, Sociedades de Propósito Específico (SPEs) e congêneres da Sanepar.

Segundo o deputado, a intenção não é impedir a Sanepar de criar estas subsidiárias, mas exigir que a Assembleia tome conhecimento e previamente aprove. “Afinal, é o dinheiro do povo que está sendo investido, é o patrimônio do paranaense que está sendo colocado à disposição de grandes investidores particulares”, argumentou. O deputado lembrou que a Sanepar hoje pertence aos investidores, “pois ao longo dos anos o Estado foi se desfazendo de suas ações e hoje é dono de apenas 20% do capital social da empresa, limitando seu poder de voto graças à maioria das ações ordinárias que possui, mas segue a lei de mercado, garantindo aos investidores donos de ações preferenciais altíssimos lucros e, por consequência, altos dividendos”. 

Leia Também:  Novo número de sintonia trará maior visibilidade para TV Assembleia e canais legislativos

“Na Copel não é diferente e tende a piorar, pois as movimentações para venda da Copel Telecom e do controle acionário da maior usina que a empresa possui demonstram claramente que o povo não é mais o dono da empresa”, destacou Soldado Fruet. De acordo com ele, “se o povo fosse dono dessas empresas, não haveria nenhum problema em o governo pedir autorização legislativa para criar ou vender ativos delas, especialmente grandes ativos, como a Copel Telecom ou o controle da usina de Foz do Areia”. 

Na avaliação de Soldado Fruet, com o PL 416 o Governo do Estado pede à Assembleia “um cheque assinado em branco para ser preenchido conforme sua conveniência”. “A justificativa para a venda da Copel Telecom é que a Copel focará no seu negócio, que é a energia. Sempre pensei que os negócios da Sanepar eram água e esgoto, mas pelo novo projeto daqui a pouco ela poderá entrar em qualquer negócio, em qualquer estado ou país”, alegou. Chamou a atenção do deputado um trecho do PL que fala em utilizar ativos da Sanepar para passar fibra ótica. “Se, para a Copel, a Telecom, com sua gigante rede de fibra ótica, é um péssimo negócio, nas palavras do governo, tanto que pretende vendê-la rapidamente, por que para a Sanepar seria bom entrar no negócio de fibra ótica?”, questionou.

Leia Também:  Especialista reforça a necessidade de cuidados com as gestantes durante pandemia

O líder do PROS declarou que “esta Casa e seus membros cada vez mais estão sendo desconsiderados pelo Poder Executivo como os verdadeiros representantes do povo”. Conforme o parlamentar, “são projetos que chegam às pressas, em regime de urgência, sem tempo para qualquer debate mais aprofundado como deveria ser”, como este que trata da Sanepar.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Estadual

Nos 14 anos da Lei Maria da Penha, mulheres pedem mudanças na postura e ações sociais e culturais da sociedade

Publicados

em

Por


.

“Viver sem violência é um direito de todos”. Com essa frase, a delegada da Mulher de Londrina, no Norte do Paraná, Magda Hofstaetter, encerrou a participação na audiência pública com o tema: “14 anos da Lei Maria da Penha – Há 14 anos dando voz às mulheres brasileiras”.  Antes, Magda citou, entre os avanços nesse tempo, números da própria região. “Até agosto deste ano, 43 agressores foram presos. Enquanto em todo o ano passado foram 30. Não queremos dizer que isso é para ser comemorado. Mas significa que estamos dando respostas à sociedade”, justificou.

O encontro debateu, entre outros pontos, o projeto de lei em tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná que institui a Força Tarefa de Defesa da Mulher; e as mudanças na Lei Maria da Penha no último ano e seu impacto no combate à violência contra a mulher.

“Com a entrada em vigor da lei, em 2006, apesar dos altos índices de violência que temos assistido, podemos constatar que as vítimas ganharam voz e passaram a denunciar mais seus agressores”, diz a presidente da Comissão, a deputada Cantora Mara Lima (PSC).

Além de Mara Lima e da delegada Magda, a audiência teve a participação das deputadas Mabel Canto (PSC), Luciana Rafagnin (PT), vice-presidente da Comissão,  e Cristina Silvestri (CDN), procuradora da Mulher da Assembleia, dos deputados Soldado Fruet (PROS) e Cobra Repórter (PSD), através de um representantes, e também da coordenadora da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (CEVID), desembargadora Priscilla Placha Sá;  defensora pública e coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública do Estado do Paraná (NUDEM), Lívia Martins Salomão Brodbeck e Silva;  e da promotora de Justiça e coordenadora do Núcleo de Promoção da Igualdade de Gênero NUPIGE, Ana Carolina Pinto Franceschi.

Leia Também:  Nutricionista lista os alimentos que ajudam na imunidade e reagem às infecções, entre elas as causadas pelo coronavírus

Ana Carolina lembrou que o Paraná conta com apenas 21 delegacias especializadas no atendimento à mulher.  Magda aproveitou para reforçar que, além do projeto da criação da força-tarefa, há uma proposta da Polícia Civil de criar locais específicos para atendimento às mulheres vítimas de violência em todas as delegacias, com investimento em capacitação de servidores.

Ana Carolina concordou, reforçando que os agressores participem de programas socioeducativos para reabilitação. “Os agressores que participam desses grupos com uma equipe multidisciplinar têm menos registros de reincidência. Isso deve ser uma política de Estado”, destacou.

Lívia Salomão, do NUDEM, citou como avanços a partir da Lei, a criminalização do assédio sexual e a tipificação do feminicídio. “A ONU classificou a lei Maria da Penha como a terceira melhor legislação de proteção à mulher do mundo.  Ela é muito difundida e é conhecida por 87% da população. Mas precisamos avançar nos aspectos de educação, onde o machismo está arraigado nos agressores e nas próprias vítimas. Isso é cultural. As meninas precisam saber desde pequenas sobre atitudes que são erradas e sobre a própria legislação. Precisamos pensar no caráter social também, já que a parcela de mulheres mais pobres, negras, é mais vulnerável”, apontou.

“Uma verdadeira revolução” – A desembargadora Priscilla Placha Sá enalteceu o trabalho das deputadas estaduais paranaenses e da Procuradoria da Mulher da Assembleia. “A criação da Procuradoria na Assembleia representou um ganho social elevado para as mulheres e as deputadas fizeram uma verdadeira revolução na política legislativa do estado”, elogiou.

“Agradeço as palavras da doutora Priscilla, mas quero lembrar que as necessidades são muitas e precisamos do apoio do Governo para podermos realizar as coisas que ainda queremos”, cobrou a deputada Cristina Silvestri.  Ela também ressaltou os números do boletim on-line implantado durante a pandemia, após solicitação das deputadas estaduais, onde os registros puderam ser feitos pela internet. Foram 500 denúncias no último mês. “Significa que as mulheres podem recorrer à internet para denunciar nesse período em que estão vivendo o dia a dia ao lado dos agressores, que ficam mais tempo dentro de casa. Um recurso muito importante”.

Leia Também:  Nos 14 anos da Lei Maria da Penha, mulheres pedem mudanças na postura e ações sociais e culturais da sociedade

O banco de dados compartilhado entre os Poderes e órgãos da Administração Pública foi citado pela deputada Mabel Canto como fundamental para o sucesso das medidas protetivas. “Unificar o trabalho é crucial. A sugestão é integrar também o monitoramento eletrônico com tornozeleira”.

A deputada Luciana Rafagnin pediu apoio dos deputados em projetos que ainda não foram colocados em pauta. “Por exemplo, o que pune com mais rigor os agressores e o que prevê um local adequado nas delegacias para que a mulher tenha liberdade para fazer a denúncia. Por causa da pandemia, o número de registros caiu, mas o feminicídio aumentou, talvez até pela dificuldade em pedir ajuda. Precisamos aprovar o projeto da denúncia por WhatsApp”, disse.

O deputado Soldado Fruet destacou o trabalho da deputada Cantora Mara Lima à frente da Comissão. “Como policial por 17 anos na PM do Paraná, atendi muitas denúncias de agressões. Situações terríveis. O Estado tem que oferecer uma boa legislação e uma política pública que proteja as mulheres”.

A Lei Maria da Penha – A Lei Maria da Penha é uma lei federal brasileira, sancionada em 07 de agosto de 2006, cujo objetivo principal é estipular punição adequada e coibir atos de violência doméstica contra a mulher.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo