Política Nacional

Associação de juízes pede responsabilização criminal de Alvim por citar nazista

Publicados

em

source
Roberto Alvim arrow-options
Clara Angeleas

Roberto Alvim publicou fez pronunciamento com citação a fala de ministro nazista

A Associação Juízes Para a Democracia (AJD) pediu nesta sexta-feira (17) que o ex-secretário de Cultura Roberto Alvim seja responsabilizado civil, administrativa e criminalmente pela citação de um discurso de Joseph Goebbels , que foi ministro propaganda e imprensa de Adolf Hitler . Segundo a entidade, que reúne magistrados ativistas, o presidente Jair Bolsonaro foi “contraditório” ao demitir Alvim já que seu governo “flerta continuamente com políticas totalitárias”

Em vídeo em que anuncia o Prêmio Nacional das Artes, Alvim, citou textualmente trechos de uma fala do ideólogo nazista. “O pronunciamento oficial de um secretário de Estado, reproduzindo, em forma e conteúdo, a política de propaganda de um regime totalitário, mundialmente repudiado pelos prejuízos causados à humanidade, é inaceitável”, escreveu a AJD.

Leia também: Quem foi Goebbels e por que copiá-lo é um risco à democracia

Após a repercussão negativa do vídeo do ex-secretário, o presidente Jair Bolsonaro exonerou Alvim. “Comunico o desligamento de Roberto Alvim da Secretaria de Cultura do Governo. Um pronunciamento infeliz, ainda que tenha se desculpado, tornou insustentável a sua permanência”, escreveu Bolsonaro em sua conta do Twitter.

Leia Também:  Qualidade dos alimentos consumidos pelos brasileiros é tema de projetos

Leia também: “Talvez não esteja bem da cabeça”, diz Olavo após citação nazista de secretário

O presidente afirmou ainda que repudia ideologias “totalitárias e genocidas, como o nazismo e o comunismo” e manifestou apoio à comunidade judaica.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de ex-deputada

Publicados

em

Por


source

Agência Brasil

deputada
Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

Em nota divulgada após a deflagração da operação, Cristiane Brasil disse que é vítima de perseguição política


O ministro Joel Ilan Paciornik, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou, nesta sexta-feira (18), que a Justiça do Rio de Janeiro examine, em 24 horas, o pedido de liberdade da ex-deputada federal Cristiane Brasil .


Ela está presa desde a semana passada em função de investigações sobre um suposto esquema de desvio de recursos públicos em contratos da área de assistência social no estado e no município do Rio de Janeiro, entre 2013 e 2018. Cristiane é filha do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson.

A decisão foi motivada por um pedido da defesa para que os pedidos de habeas corpus protocolados no Tribunal de Justiça do Rio sejam analisados.

Leia Também:  Qualidade de alimentos consumidos pelos brasileiros é tema de projetos que tramitam no Senado

Segundo o Ministério Público (MP), as investigações que levaram à prisão da ex-deputada constataram fraudes em contratos para diversos projetos sociais na Fundação Leão XIII, entidade estadual voltada para o atendimento a populações de baixa renda e moradores de rua do Rio de Janeiro, e também nas secretarias municipais de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida e de Proteção à Pessoa com Deficiência do Rio de Janeiro, de 2013 a 2018.

Ainda de acordo com o MP, a organização criminosa era composta por três núcleos, o empresarial, o político e o administrativo, atuando para que fossem direcionadas licitações no município do Rio e no estado, visando à contratação fraudulenta das empresas Servlog Rio e Rio Mix 10, mediante o pagamento de propina a servidores públicos, que variava de 5% a 25% do valor do contrato.

Em nota divulgada após a deflagração da operação, Cristiane Brasil disse que é vítima de perseguição política . “Tiveram oito anos para investigar essa denúncia sem fundamento, feita em 2012 contra mim, e não fizeram, pois não quiseram”, declarou. 

Leia Também:  Projeto prevê uso de aviação agrícola no combate a incêndio florestal

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo