Carros e Motos

A motocicleta e a música

Publicados

em


source
Os Motokas
Divulgação

Motos e música sempre foram como carne e unha na história dos amantes dessas duas artes impecáveis

O que você faz com sua mente enquanto pilota uma motocicleta? Claro, sei que toda atenção deve ficar na pilotagem, principalmente em meio ao trânsito à sua volta, mas há momentos em que, na intimidade de seu capacete, as ideias voam alto.

LEIA MAIS: Divirtam-se, reconhecendo as motocicletas do cinema

Lembro bem, lá pelos anos 70 e 80, quando as estradas longas e vazias eram parte importante da minha vida, que eu tinha as melhores ideias de pautas para escrever posteriormente, às vezes até “escrevendo” na mente parágrafos inteiros que se tornariam textos impressos. E para não esquecer as melhores ideias, cheguei a instalar um gravador com microfone no capacete, o que nunca deu muito certo. Como motos e música combinam bem, ouví-las na estrada também era um dos meus projetos.

Foi assim que também instalei alto-falantes de fones de ouvido dentro do capacete. Mais uma vez a invenção não foi muito prática, de forma que voltei a organizar pensamentos enquanto cumpria longos percursos em uma motocicleta. Só agora, décadas depois, passei a curtir música nas motos de forma confortável, graças aos modernos sistemas de áudio das grandes estradeiras.

LEIA MAIS: Alguns filmes mais com nossas queridas motocicletas

De qualquer forma, a música sempre foi grande companheira dos motociclistas e, por esse motivo, listar as melhores sobre o tema pode render um bom papo de mesa de bar.

O quê? Claro, a primeira música que vem à mente só podia ser ” Born To Be Wild “, do Steppenwolf, que ficou célebre juntamente com o filme Easy Rider , em 1969. Mas existem muitas outras músicas, algumas pouquíssimo conhecidas, que merecem ser lembradas.

LEIA MAIS: Uma Harley-Davidson no fora de estrada? Acompanhe nossa aventura

Vamos, então, começar com as menos óbvias. Lá atrás, em 1966, Erasmo Carlos cantava “O Homem Da Motocicleta”, composição ingênua para os dias de hoje, mas que pode ser considerada a versão de duas rodas da famosa “Rua Augusta”, de Eduardo Araújo, da mesma época, graças a versos como “quem tem medo sai da frente”, ou “freio é coisa que existe só para enfeitar”.

Assim como no cinema, os anos 60 foram muito propícios para músicas relacionadas às motocicletas, pois foi a época da rebeldia, o que sempre combinou muito com elas. Ainda em 1957 a música “Motorcycle Mike”, de Dave Day, já dava uma ideia do momento musical daquele período,

Leia Também:  Conheça a CB 350, a mais popular das Honda dos anos 60

Ou a música “Bad Motorcycle”, do conjunto vocal feminino The Storey Sisters, que em 1958 já insinuava que as motocicletas eram irresistíveis para as moças.

No ano seguinte, a cantora Terry Ann confirmava esse status com a música “Motorcycle Jack”, que termina com o ronco do motor de uma motocicleta.

Um conjunto dessa época, com um nome bem sugestivo, era o Tico & The Triumphs. Inglês, naturalmente. Em 1961 eles emplacaram a música “Motorcycle”, com o ronco de um motor acelerando na introdução. Meio falso, já que esse ronco parecia mais com o do motor de um automóvel Triumph de quatro cilindros, mas valeu a intenção.

No ano seguinte, o jovem cantor popular alemão Benny Quick fez sua versão da canção, chamando-a de “Motorbiene”. Dessa vez o som do motor na introdução era nitidamente o de uma motoneta, dois tempos, provavelmente uma Vespa. Bem adequado, já que biene, em alemão, significa abelha.

Há também uma versão brasileira de “Motorbiene”, de 1964, com o conjunto instrumental mineiro Brazilian Boys. Os arranjos são até melhores que os das canções originais, mas não há som de motor na introdução (aos 16 minutos e 30 segundos).

Em 1964, as músicas sobre motocicletas continuavam explorando a sua rebeldia, como em “She’s A Bad Motorcycle”, do grupo de Chicago The Crestones.

A fase ingênua das músicas sobre motos acabou no fim da década, quando o filme Easy Rider consagrou para todo o sempre a música “Born To Be Wild”. Confesso que já não suporto mais ouví-la em reuniões motocicísticas, como se não existisse mais nenhuma outra música importante para ser tocada.

Outras músicas, no entanto, seguiram o sucesso de “Born”. Em 1970, os irmãos Allman, do Allman Brothers Band, gravaram “Midnight Rider”, sobre um cavaleiro em fuga, uma alusão à motocicleta e a estrada.

Mais interessante é uma música de Jimi Hendrix, inspirada no filme de Peter Fonda, com nome bem parecido com o do filme: “Ezy Ryder”. Apesar de ter uma música sua na trilha oficial (“If Six Was Nine”), sua homenagem ao filme só foi conhecida após sua morte, em um álbum póstumo.

Uma banda pouco conhecida, a Sailcat, gravou “Motorcycle Mama”, na qual conecta mulheres e motocicletas. O mais interessante são as imagens do clip, que mostra personagens femininas bem conhecidas pilotando motos.

Leia Também:  Hyundai mostra linha 2021 do HB20 com motor 1.0 aspirado

Já o cantor Sammi Hagar, conhecido por ser o vocalista da banda Van Halen, ainda na sua banda anterior Montrose chama a sua namorada para um passeio de scooter em “Bad Motor Scooter”, música de 1974.

A guitarra de Neil Young sempre me impressionou, mas na canção “Motorcycle Mama”, de 1978, quem solta a voz é a cantora Nicolette Larson. Vale a pena ouvir.

Em “Unknown Legend”, ele mesmo canta e pilota sua Harley-Davidson pela Rota 66.

Falando um pouco de “roquinhos” mais leves, jamais poderíamos deixar de citar o conjunto Os Paralamas do Sucesso, que emplacaram nos anos 80 com “Vital e Sua Moto”. O Brasil estava conhecendo a popularidade crescente das motocicletas e a balada contava como Vital podia fazer tudo sobre duas rodas.

No ano seguinte, 1984, o desconhecido grupo Espírito da Coisa balançou a turminha do postinho com a bem humorada “Ligeiramente Grávida”. Versos como “subi na Kawasaki , o coração fez tic tac…”, ou “aquele motor de mil cilindradas causa reações inesperadas..” só nos faz concluir que se tratava de uma Kawa Z1000.

Fiz uma lista de cerca de 60 músicas enaltecendo a motocicleta, por isso sei que vocês poderão ouvir estas e mais algumas. São muitas. E deixei para o fim duas delas, especiais.

Uma das motocicletas mais representativas da minha história é o título desta canção de 1991, de Richard Thompson: “1952 Vincent Black Lightning”. A história é triste, o jovem rebelled James entregando sua adorada Vincent ’52 na hora de sua morte.

Por fim, fechamos com nosso querido Zé Rodrix, com “Jesus Numa Moto”, de 2000. Nessa balada, ele resume sua geração dos anos 60 e 70.

Se todas essas músicas referem-se a motocicletas, o que dizer de um conjunto chamado Os Motokas? O grupo surgiu no início dos anos 70 fazendo covers de bandas conhecidas e animavam bailinhos no Rio de Janeiro. Mas não tocavam músicas sobre motocicletas. Além do nome bastante sugestivo, eles são os responsáveis por uma coletânea de 13 LP’s, cada um com 30 canções, sempre com uma modelo montada em uma motocicleta na capa.

Rose Di Primo, Alcione Mazzeo, Nadia Lippi e outras musas dos anos 70 em companhia das mais cobiçadas motocicletas também dos anos 70. Se não for interessante ouvir o trabalho do grupo, que depois mudou o nome para Roupa nova, pelo menos vale a pena conhecer as capas. Motos e música são irmãs de mães diferentes.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Carros e Motos

Maio fecha com as piores vendas em 28 anos, diz Anfavea

Publicados

em

Por


source
Anfavea
Divulgação

A expectativa da Anfavea gira em torno da retomada gradual das fábricas, mas segue sem grandes previsões para o ano

Mais um mês de pandemia e de números que desabam no setor automotivo. A produção de veículos no Brasil, em maio ainda registra uma queda de 84,4% em relação a maio de 2019. Os números de produção só foram tão maiores por conta do retorno de algumas fábricas. E os emplacamentos contaram com 62.200 unidades, pior mês de maio desde 1992, com quase 75% de queda ante 2019 o respectivo mês de 2019. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (5) pela Anfavea.

LEIA MAIS: Pela primeira vez, SUVs vendem mais que hatches pequenos no Brasil

No acumulado de 2020, 676 mil unidades emplacadas, ou 38% de queda ante o acumulado de 2019 até o respectivo fechamento de maio. A exportação de 3.900 veículos em maio, por sua vez, representa queda de 91% em relação a maio de 2019, pior número desde 1978. E o acumulado foi o menor desde 2002, com 100 mil unidades.

Leia Também:  Conheça a CB 350, a mais popular das Honda dos anos 60

LEIA MAIS: Concessionárias e lojistas usam criatividade para sobreviver na crise

Vendas
Divulgação

Concessionárias têm de obedecer aos decretos de vários Estados, que exige o fechamento dos estabelecimentos até segunda ordem

Segundo Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea: “é difícil prever números de produção, licenciamentos e de exportação. Mas a perspectiva da Anfavea é de um licenciamento de 1600 veículos, sendo 1350 automóveis e 250 comerciais leves para junho, o que representa uma queda de 40% ante maio de 2020”.

LEIA MAIS: Depois da pandemia, qual será o “novo normal” no setor automotivo?

O acumulado do ano também teve resultados negativos. A variação foi de 49,2% para menos, passando de 1.241.155 em 2019, para 630.819 em 2020. “Embora junho sinalize algum retorno mais efetivo à produção de carros , teremos sem dúvida o pior trimestre da história do setor automotivo. Resta esperar por uma reação no segundo semestre capaz de evitar maiores danos às vendas de carros e à toda cadeia automotiva”, disse o presidente da Anfavea .

Leia Também:  Novo Toyota Hilux traz visual atualizado, entre outras novidades
Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo