Turismo

Rio de Janeiro além do óbvio: 7 lugares “fora do comum” para visitar na cidade

Publicados

em

source

O Rio de Janeiro é um dos estados mais visitados do Brasil. Em projeção do Google Travel para 2020, a ‘Cidade Maravilhosa’ ficou apenas atrás de Londres, na Inglaterra, como destino mais procurado para reserva de hotéis.

Leia também: 8 truques para fugir das roubadas no Rio de Janeiro

E na hora de organizar uma visita para o Rio de Janeiro , os pontos turísticos tradicionais como o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar, a praia de Copacabana e a escadaria de Selarón são quase parada obrigatória para muitos turistas. Mas você já imaginou conhecer a cidade em locais pouco visitados, mas igualmente lindos?

Para expandir as oportunidades na capital carioca, o iG Turismo entrevistou viajantes e um guia turístico para mostrar sete passeios “diferentões” para a sua próxima viagem. Confira a lista abaixo:

1. Parque das Ruínas

parque das ruínas arrow-options
Reprodução/ Facebook

O Parque das Ruínas fica próximo da escadaria de Selarón e pode ser um passeio bem divertido

O Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas fica localizado no bairro de Santa Teresa, próximo à famosa escadaria de Selarón. Lugar onde ficava a casa de Laurinda Santos Lobo, uma mecenas da Belle Époque carioca, o parque foi aberto ao público em 1997 e sua beleza encanta quem já o visitou.

“É um excelente lugar para tirar fotos – seus vários pavimentos e suas paredes de tijolo dão um visual incrível – e é um dos lugares com melhor vista do Rio de Janeiro. No ponto mais alto do local você tem visão privilegiada da Catedral São Sebastião, dos Arcos da Lapa, do Pão de Açúcar e muito mais”, conta o jornalista Guilherme Guidetti.

Segundo ele, no parque ainda funciona uma galeria de arte e um teatro, além de ter espaço para apresentações musicais. “Apesar de ser meio longe e ter que andar um tanto durante uma subida considerável, o passeio vale cada passo e pode ser feito logo depois de ir à Escadaria Selarón. Com um pouco de sorte, você ainda pode ver os saguis espalhados pelo espaço”, completa.

O Parque das Ruínas tem entrada gratuita e fica aberto ao público de terça a domingo das 8h as 18h.

2. Instituto Moreira Sales

instituto moreira salles arrow-options
Reprodução/ Site oficial

O IMS Rio completou 20 anos em 2019 e é um dos lugares mais bonitos do Rio de Janeiro

O Instituto Moreira Sales é um espaço cultural distribuído em três estados brasileiros (São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais) e na cidade carioca está num dos locais mais bonitos. Mesclando exposições de fotografia, música, literatura e iconografia, o IMS Rio fica no bairro da Gávea, tem entrada gratuita e fica aberto de terça a domingo das 11h as 20h.

Leia Também:  'Orlando brasileira': o que fazer na cidade de Olímpia? Veja 8 atrações

Julia Terciotti, autora do livro infantil “Uma Casa na Gávea”, sobre o Instituto Moreira Sales, conta um pouco sobre como o ambiente inteiro é apaixonante. “O instituto é um lugar incrível pra quem se interessa não só por arte, como por arquitetura, botânica e cultura. Os Jardins de Burle Marx harmonizam de uma forma sublime natureza x construção. Treliças, azulejos portugueses, curvas, verde e água, tudo compõe o casarão de estética invejável, e deixa bastante a vontade até um visitante mais distraído. A casa da Gávea, como ficou conhecida por muito tempo, até virar o museu, é uma parada imprescindível pra quem quer conhecer a história da cidade. O Moreira Salles Rio é todo museu, não só seu acervo”, comenta.

3. Parque Garota de Ipanema

parque garota de ipanema arrow-options
Reprodução/ TripAdvisor

O Parque Garota de Ipanema fica em frente à praia do Arpoador e tem uma vista linda da cidade

Para quem quer mesclar passeios, visitar a praia de Ipanema e depois passar no Parque Garota de Ipanema pode ser uma boa pedida. Localizado em frente à praia do Arpoador, o local possui uma trilha que leva para uma vista única da cidade.

“A trilha do Arpoador dá em uma pista de skate abandonada e alguns bancos. De lá dá para ter uma boa visão do combo ‘mar, praia, natureza e o Cristo’”, explica o jornalista Douglas Lima.

O parque Garota de Ipanema fica aberto de segunda a segunda-feira, 24h por dia, e a entrada é gratuita.

4. Escola de Samba da Rocinha + Mirante

rocinha arrow-options
Reprodução/ Site oficial

A favela da Rocinha é a maior do país e atrai muitos turistas no Rio de Janeiro

Com mais de 70 mil habitantes, a favela da Rocinha é a maior do país e atrai diversos turistas por sua diversidade. Douglas Lima também visitou a comunidade e aponta que a quadra do Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos da Rocinha é uma união entre pessoas de várias nacionalidades, um passeio que mostra a essência do Rio de Janeiro.

Leia Também:  O que fazer no feriado da Consciência Negra em São Paulo?

“A escola de samba tem uma energia surreal. Toda a comunidade está ali, não é por status. A rainha da bateria cresceu lá e todos dão o coração para dar o melhor na Avenida. Lá tem de tudo, gringo, carioca, paulista. Todo mundo na mesma energia, de se divertir”, comentou.

Os dias e horários dos ensaios da bateria do Acadêmicos da Rocinha são informados nas redes sociais da agremiação.

Já o Mirante Rocinha é um dos pontos turísticos mais novos da lista. Com acesso pela Estrada da Gávea, o local tem bar, deck com mesas e um ponto de observação mais alto com vista para o Cristo, o Pão de Açúcar, a Lagoa Rodrigo de Freitas e alguns bairros da zona sul. O Mirante fica aberto todos os dias (exceto quarta-feira) das 08h as 00h. A entrada é gratuita.

5. Bar da Laje

bar da laje arrow-options
Reprodução/ Site oficial

O Bar da Laje fica no morro do Vidigal e tem uma vista panorâmica da cidade

Outro ponto de observação com música e agitação é o Bar da Laje , no morro do Vidigal. O espaço abre todos os dias da semana (exceto terça-feira) das 12h às 20h e no fim de semana até às 22h. O bar disponibiliza uma Kombi que busca os visitantes na praia do Leblon. O custo é entre R$ 10 a R$ 20 por pessoa.

6. Museu José Francisco Lippi

sobrado arrow-options
Reprodução/ Site oficial

O sobrado José Francisco Lippi virou museu e resgata a história da região serrana do século XIX

O museu José Francisco Lippi é uma das belezas da Serra. Para quem estiver por Teresópolis , passear pelo Sobrado Histórico do século XIX e conhecer um pouco sobre a história da região pode ser uma “volta ao passado”.

O passeio é organizado pela professora e proprietária do terreno, Regina Furtado Lippi, que conduz os visitantes vestida com roupas tradicionais da época em que o casarão foi construído. Por lá os visitantes encontrarão documentos, fotos, móveis e mais detalhes.

O guia turístico Jairo Monteiro organiza passeios até o museu “No fim da visita, a Regina serve um pequeno café com doces de frutas colhidas na propriedade”, conta ao iG. As visitas podem ser feitas aos sábados, domingos e feriados das 13h30 as 17h00. Para demais dias, é necessário agendamento pelo telefone (21) 2644-7076.

7. Jardim Geraldo Simplício

jardim arrow-options
Jairo Monteiro

O jardim Geraldo Simplício é um ateliê a céu aberto na serra carioca

O jardim Geraldo Simplício ou ” jardim do nêgo ” é um ateliê a céu aberto do escultor Geraldo Simplício. O artista cearense esculpiu esculturas no terreno de sua própria casa desde 1969 e o local foi aberto aos visitantes anos depois.

Leia também: 10 passeios bate e volta para fazer saindo do Rio

O jardim pode ser visitado todos os dias, das 08h às 17h. Localizado na região do Campo do Coelho, também na serra do Rio de Janeiro , não cobra entrada.

Fonte: IG Turismo
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Turismo

Saiba como lidar com o enjoo em cruzeiros e não acabar com sua viagem

Publicados

em

source

É comum ouvir relatos sobre pessoas que sentiram enjoo em cruzeiros . Porém, esse é um problema que quando investigado e cuidado, pode ser facilmente resolvido, não atrapalhando em nada a experiência da viagem.

Leia mais: 10 destinos baratos para viajar ainda neste mês de janeiro

Problemas como enjoo em cruzeiros podem e devem ser tratados por um otorrinolaringologista arrow-options
shutterstock

Problemas como enjoo em cruzeiros podem e devem ser tratados por um otorrinolaringologista

Você já se perguntou por que algumas pessoas se sentem nauseadas em cruzeiros e outras não? Pelo que explica o otorrinolaringologista Ulisses Ribeiro, isso acontece porque existem pessoas que têm o labirinto  mais sensível. Segundo ele, o labirinto faz parte de um conjunto de órgãos que controla o nosso equilíbrio.

Quando as pessoas têm o seu equilíbrio acometido por conta do mareio, elas podem possuir uma afecção chamada cinecitose ou “mal do movimento”. Ela se caracteriza por uma sensação de tontura  causada por movimentos. A condição gera enjoos não apenas em alto mar, mas também nas viagens de ônibus e automóveis.

Leia mais: Insetos, sujeira e problemas para chegar: como lidar com perrengues no Airbnb?

Leia Também:  Saiba como lidar com o enjoo em cruzeiros e não acabar com sua viagem

A cinecitose acontece pois o nosso organismo recebe estímulos de diversas áreas. Enquanto os nossos olhos estão vendo tudo calmo e estático, o nosso corpo consegue sentir o balanço do mar. Por conta desses estímulos opostos, o cérebro fica confuso e o resultado é essa sensação ruim. 

Como evitar enjoo em cruzeiros?

É recomendável manter uma dieta leve durante o cruzeiro para evitar enjoos arrow-options
shutterstock

É recomendável manter uma dieta leve durante o cruzeiro para evitar enjoos


Alguns exercícios simples podem ajudar a prevenir esse quadro, como por exemplo mover os olhos enquanto a cabeça está parada ou mover a cabeça enquanto os olhos estão num ponto fixo, adaptando-se melhor ao movimento. Além disso, se você já está viajando, procure locais mais no centro e no alto, onde a embarcação balança menos.

Outra dica é evitar locais muito cheios ou tumultuados, com pouca circulação de ar ou cheiros muito fortes. Ambientes assim podem desencadear a náusea, já que causam um maior conflito de sentidos. 

alimentação  pode interferir também nos sintomas da afecção.”Bebidas alcoólicas e alguns alimentos gordurosas podem influenciar na piora dos sintomas. Quando viajar, o recomendado é procurar uma dieta leve”, comenta Ribeiro. 

Leia Também:  Sagrado para índios ianomâmis, Pico da Neblina voltará a receber turistas

De acordo com ele, hoje em dia existem diversas formas de prevenir essa patologia, como por exemplo através dos  medicamentos adesivos . Eles são anti náuseas,  não agridem o tubo digestivo ou o fígado e agem a nível cerebral, evitando o aparecimento da cinecitose. Podem também ser chamados de “transdérmicos” e devem ser prescritos por um médico otorrinolaringologista.

Leia mais: Paraíso baiano: Península de Maraú é a nova queridinha do Nordeste

Ribeiro afirma ainda que a princípio, todas as pessoas podem tomar remédios para enjoo (como Dramin, por exemplo), mas que sempre devem consultar um médico, de preferência um otorrino, para avaliar o problema e sua causa específica.

Fonte: IG Turismo
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo