Saúde

Prefeitura investiga suspeita de 2ª morte por contaminação de cerveja

Publicados

em

A Secretaria de Saúde de Pompéu (MG), a cerca de 170 quilômetros de Belo Horizonte, informou hoje (14) que uma mulher internada em um hospital da cidade com sintomas da síndrome neufroneural – que a Polícia Civil atribui ao consumo da cerveja pilsen Belorizontina, da Backer -, morreu no dia 28 dezembro.

A secretaria municipal trata o caso como mais uma ocorrência de intoxicação de consumidores da cerveja pela substância tóxica o dietilenoglicol, utilizada em sistemas de refrigeração devido a suas propriedades anticongelantes. A substância já foi encontrada em três lotes da cerveja Belorizontina.

Em nota, a secretaria municipal afirma que a mulher, cujo nome não foi divulgado, esteve em Belo Horizonte entre os dias 15 e 21 de dezembro. Segundo parentes da vítima, ela teria consumido a cerveja Belorizontina, da Backer, durante este período.

Se confirmado que a morte está associada à ingestão da cerveja, este será o segundo óbito decorrente da intoxicação pela bebida. Além disso, trata-se da segunda mulher a apresentar os sintomas da síndrome nefroneural – insuficiência renal aguda de evolução rápida (ou seja, que leva a pessoa a ser internada em até 72 horas após o surgimento dos primeiros sintomas) e alterações neurológicas centrais e periféricas que podem provocar paralisia facial, embaçamento ou perda da visão, alteração sensório, paralisia, entre outros sintomas.

Leia Também:  Governo monitora família com suspeita de coronavírus nas Filipinas

Consultada pela reportagem, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais afirma que ainda não foi oficialmente notificada da ocorrência. Por isso, segue contabilizando apenas uma morte entre os 17 casos de internação já notificados. A Secretaria de Saúde de Pompéu afirma que já notificou o caso ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs-MG).

 Backer,cerveja artesanal, Belo Horizonte

Ministério da Agricultura determinou que a Backer retire de circulação todas as cervejas e chopes produzidos desde outubro de 2019 até o dia de ontem – Divulgação/Backer cervejaria

Cervejaria Backer

Desde que as suspeitas de contaminação das cervejas Belorizontina vieram a público, a cervejaria Backer afirma que não utiliza dietilenoglicol em sua fábrica. Em nota divulgada nesta segunda-feira (13), a Backer promete prestar a ajuda necessária aos pacientes e suas famílias.

“A empresa prestará o suporte necessário, mesmo antes de qualquer conclusão sobre o episódio. Desde já, se coloca à disposição para o que eles precisarem”, informa a cervejaria, que garantiu colaborar, “sem restrições”, com as investigações. A empresa também informou que está tomando as medidas necessárias à apuração do que aconteceu. “Na semana passada, solicitamos uma perícia independente e aguardamos pelos resultados.”

Ministério da Agricultura

Ontem o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento determinou que a Cervejaria Backer retire de circulação todas as suas cervejas e chopes produzidos desde outubro do ano passado até ontem (13). A suspensão da venda se manterá até que fique assegurado que os outros produtos da Backer não estão contaminados. “A medida é para preservar a saúde dos consumidores”, informou o ministério.

Investigação

A Polícia Civil não descarta nenhuma hipótese, nem mesmo a suspeita de que um ex-funcionário demitido pela Backer possa ter agido por vingança. “Não posso afirmar se foi uma sabotagem ou um erro. Ainda não é o momento da investigação para isso”, disse o delegado Flávio Grossi. “Hoje, o que afirmamos é que os elementos tóxicos encontrados nas garrafas [de cerveja], no sangue das vítimas e dentro das empresas [provém] de produtos em comum. Crime acreditamos que houve. Por isto instauramos um inquérito policial”, disse o delegado.

Edição: Denise Griesinger
Fonte: EBC Saúde
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Coronavírus: Itália anuncia segunda morte e Irã a quinta

Publicados

em

A segunda vítima do Covid-19 na Itália é uma mulher da região norte da Lombardia. Sexta-feira (21) à noite tinha sido anunciado a morte de um homem de 77 anos, perto de Pádua, na região vizinha de Veneto.

O país registra neste sábado (22) 30 casos do novo coronavírus, onde a epidemia tem se alastrado no norte.

A primeira vítima mortal era natural de Veneza e estava hospitalizada há dez dias no hospital de Schiavonia devido a outros problemas de saúde.

As autoridades italianas de saúde tinham anunciado sexta-feira (21) 15 novos casos do Covid-19 no norte da região de Lombardia, em apenas um dia.

Após ter sido confirmada esta morte, as autoridades locais reuniram-se e decidiram adotar medidas de emergência.

“A Itália está preparada. Elaboramos um plano porque ficou claro que isso poderia acontecer. Agora é uma questão de implementar o plano preparado”, disse o ministro italiano da Saúde, Roberto Speranza.

Entre as medidas está a recomendação à população para que permaneça em casa o máximo possível e a proibição de todas as atividades públicas, como festas de carnaval, missas na igreja e eventos desportivos durante uma semana.

Leia Também:  Cãibra pode ser sinal de Doença Arterial Obstrutiva Periférica

Irã

No Irã, o total de casos ascendeu este sábado (22) a 28, com 10 novos casos nas últimas 24 horas.

O porta-voz do Ministério da Saúde iraniano revelou na televisão estatal que um desses novos casos morreu. É a quinta morte no país devido ao Covid-19.

Na Coreia do Sul, o número de infetados com o novo coronavírus praticamente duplicou entre sexta-feira (21) e hoje (22), para um total de 443 pessoas.

O principal responsável pelo aumento será um surto no hospital de Cheongdo, no sul do país, região com cerca de 43 mil habitantes fortemente atingida pela epidemia.

O hospital foi palco das cerimônias fúnebres do líder de uma igreja cristã, que atraíram cerca de um milhão de fiéis.

China

Na China, morreram pelo menos 109 pessoas nas últimas 24 horas vítimas do Covid-19, o que eleva para 2.345 o número de vítimas mortas pela doença, anunciou a Comissão de Saúde do país.

As autoridades chinesas indicaram que até a meia-noite (hora local) tinham sido registados 397 novos casos da doença para um total de 76.288 casos.

Leia Também:  Estudo relaciona hanseníase a minorias sociais

Das 109 mortes, 106 ocorreram na província chinesa de Hubei, centro da epidemia, onde foram identificados 366 dos 397 novos casos da doença no país.

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo