Estadual

Paraná sedia encontro sobre conflitos tributários e gestão fiscal

Publicados

em

A Secretaria de Estado da Fazenda recebe técnicos da maior parte dos Estados brasileiros para a 45ª reunião da Comissão de Gestão Fazendária (Cogef), que começa nesta segunda-feira (2). No centro das discussões está o chamado Contencioso Fiscal, ou seja, os Estados vão discutir as melhores formas de lidar com os conflitos de matéria tributária entre o contribuinte e a Receita Estadual.

Ligada ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), a Cogef reúne os Estados a cada trimestre, com a proposta de harmonizar os aspectos técnicos dos programas de modernização da gestão fiscal, segundo explica o coordenador geral do Profisco II PR, Sandro Ferrari. Participam também representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Ministério da Economia.

TEMAS – Na terça e quarta-feira, a pauta do encontro prevê também discussões sobre a capacitação em liderança estratégica e gerencial. Também serão tratadas a situação da execução dos empréstimos do BID contidos no programa Profisco I e a contratação de novos investimentos no Profisco II.

Esta reunião sempre antecede em uma semana o encontro nacional dos secretários da Fazenda no Confaz. O evento também será em Curitiba.

Leia Também:  Conselho aprova repasses de R$ 34 milhões da União para o Paraná

SOLUÇÕES – Na segunda-feira, numa agenda adicional à Cogef, os participantes vão conhecer soluções adotadas ou projetadas pela Secretaria da Fazenda do Paraná. Entre elas estão o Processo Administrativo Fiscal Eletrônico (ePAF), a solução de Analytics (BI) e o Sistema Integrado de Gestão Tributária (SGT). Já na quinta-feira, o evento destina toda a pauta aos representantes da área de Tecnologia da Informação dos Estados.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Jovem com Down quer realizar o sonho de ser professora

Publicados

em

“Ela é a aluna que todo professor gostaria de ter. Tem vontade, participa. Nesses dois anos sendo professora dela eu aprendi muito, e sei que ainda tenho muito a aprender”. Essas palavras são da professora Maria Isabel de Castro dos Santos, que há dois anos leciona para uma estudante mais do que especial no Colégio Estadual Benedicto João Cordeiro, em Curitiba.

A jovem é Maryan Pereira Putrique, 18 anos, aluna com Síndrome de Down. Ela quer ser professora e já está no Curso de Formação de Docentes, ofertado na rede estadual de ensino. “Nesses dois anos sendo professora dela eu aprendi muito, e sei que ainda tenho muito a aprender”, destaca a professora Maria Isabel de Castro dos Santos, que leciona para a estudante.

Oriunda de uma família de professores, ela conta que sempre quis seguir a profissão. Quando confidenciou à mãe que queria trabalhar na área, a ideia foi bem recebida. “Na minha família todo mundo é professor e eu decidi ser também. Falei para a minha mãe: quero ser professora, sempre sonhei em trabalhar com crianças especiais. E ela aceitou”, conta Maryan.

O primeiro passo foi a matrícula no Curso de Formação de Docentes. Hoje, Maryan está perto de finalizar o segundo de quatro anos de estudos. Ela pretende cursar Pedagogia depois da formatura.

Pedagoga da instituição, Sandra Eliza Bianchi não esconde que, apesar de muito feliz, ficou apreensiva quando soube que a escola receberia uma estudante com Síndrome de Down. A chegada da jovem ao colégio mexeu com a rotina dos professores, que precisaram repensar e reorganizar sua forma de ensinar.

Leia Também:  Safra de grãos do Paraná deve alcançar 23,4 milhões de toneladas

“A Maryan é um desafio pedagógico para nós. Ela é uma aprendizagem para todos da escola, mas principalmente para o professor. Para mim, é um orgulho imenso tê-la no curso. Eu falo isso para ela todos os dias”, afirma.

ADAPTAÇÃO – Sandra explica, por exemplo, que as avaliações são adaptadas para a jovem. Muitas vezes, por meio de uma conversa mais informal, o professor consegue trabalhar o conteúdo com a estudante. Em outros momentos, são utilizadas músicas ou imagens – ela adora desenhar, inclusive.

A pedagoga também destaca que a convivência com Maryan é enriquecedora não só para os professores, mas para quem está ao lado da adolescente em sala. Esse ano, por exemplo, os alunos tiveram uma disciplina voltada à Educação Especial. No caso dos colegas de Maryan, o caminho percorrido foi o inverso da maioria das turmas: eles aprenderam na teoria o que já vinham vivenciando na prática desde 2018.

Amiga e companheira de turma de Maryan, Emilly Martinez, 15 anos, relata que a convivência com a jovem especial vai agregar muito em sua formação como educadora. Segundo Emilly, a convivência com Maryan acabou lhe mostrando como é verdadeira a ideia de que ser diferente é normal.

“Ela tem os sentimentos dela, conversa muito com a gente e vemos o esforço dela em todas as áreas. Está sempre disposta. Lá na frente nós, estudantes do Curso de Formação de Docentes, vamos ver como essa convivência com uma pessoa especial vai fazer a diferença”, opina.

Leia Também:  Estado vai ampliar assistência à pessoa com deficiência

AMIZADES – “Maryan refere-se às amigas que fez no Curso de Formação de Docentes com muito carinho. Segundo a jovem, desde que ela ingressou no colégio foi muito bem acolhida e a convivência com as colegas é crucial para o seu processo de aprendizagem.

“Não importa a diferença entre uma pessoa com e sem síndrome. O que importa é que se tenha amigos. Isso faz parte da inclusão”, diz. Uma dessas amigas é Melissa Souza, 16 anos. Ela não sabe se vai continuar na mesma sala de Maryan nos próximos anos, mas diz que sempre vai levar a colega em seu coração.

“Foi a primeira vez que eu estudei com uma pessoa especial. A gente vê que ela sente amor por todo mundo, que é uma pessoa muito boa e tem muito potencial. Todo mundo tem dificuldades na vida, independentemente de ter ou não Síndrome de Down, e é preciso conviver com isso da melhor forma possível”, conta.

Atualmente, Maryan faz estágio na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). Ela ensaiou com as crianças da Escola de Estimulação e Desenvolvimento (Cedae), ligada a Apae, uma adaptação de “João e Maria” encenada no fim do mês de novembro. Na peça, interpretou a madrasta dos protagonistas.

“Trabalhando com crianças especiais, eu lembro de mim. Eu tinha muitos amigos especiais também, brincava com eles. Agora, lembro dos amigos que eu tinha. Parece um sonho”.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo