Estadual

Paraná integra sistema nacional de informatização da Saúde

Publicados

em

O Paraná será um dos primeiros estados a integrar o Conecte SUS, programa de informatização do Ministério da Saúde. O programa tem como objetivo produzir e disponibilizar informações transparentes relativas à gestão da saúde e o acesso aos próprios dados para cada cidadão brasileiro usuário do Sistema Único da Saúde.

O Governo do Paraná busca constantemente fazer uso das tecnologias para melhorar os serviços públicos e facilitar a vida do cidadão paranaense. “Somos um estado inovador, por isso não medimos esforços para melhorar nossos serviços. A saúde é uma área de extrema importância e a tecnologia da informação tem potencial imenso para aprimorar os atendimentos, a qualidade e a eficiência neste setor”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Júnior.

O Conecte SUS é um sistema formado pela Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS) e pela Informatização da Atenção à Saúde. O secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto, explica que um sistema como esse pode potencializar o uso de recursos e auxiliar na gestão da área no Estado.

“Atuamos em consonância com o objetivo do governador, buscando sempre inovar para melhorar. O Conecte SUS vai nos apontar como estão as questões da saúde e como está a população que utiliza os serviços. Será possível verificar de maneira regionalizada como estão as sub áreas para potencializar a aplicação de recursos. Também visualizamos a capacidade que teremos em planejar programas e ações a partir dos relatórios e dados que teremos”, avalia.

Leia Também:  Polícia Civil e Detran leiloam 1,8 mil veículos inservíveis

INFORMAÇÕES – A Rede Nacional de Dados em Saúde é um sistema criado a partir de outros sistemas informacionais e tecnológicos integrados que são atualizados pelos municípios, Estados e União. “É como um contêiner contendo caixas com muitas informações. Mas em um contêiner virtual, os dados são mantidos em nuvem de informações, viabilizada pelo Ministério da Saúde”, explica o chefe do Núcleo de Informática e Informação da Secretaria de Estado de Saúde, Maurício Todeschi.

O secretário Beto Preto comenta, ainda, que a informatização da saúde será um suporte para as políticas públicas nos próximos anos. “O Conecte SUS será uma excelente ferramenta para dar suporte às nossas políticas públicas. Com dados concretos, factíveis, poderemos pensar e agir de forma mais assertiva para todo o Paraná, considerando as especificidades regionais”.

PRONTUÁRIO – O Prontuário Único de Saúde faz parte do Conecte SUS e é documento informatizado que será a ‘ficha on-line’ dos usuários do Sistema Único de Saúde. Com o programa em funcionamento, o Ministério da Saúde prevê que os cidadãos terão acesso aos seus dados via CPF e os gestores municipais poderão gerar relatórios para mapear e melhorar os atendimentos em saúde.

PROJETO PILOTO – O estado de Alagoas iniciará o projeto- piloto do Conecte SUS com a informatização nos municípios para depois iniciar a rede de dados. No Paraná, como a maioria das cidades já possui sistema informatizado, o programa iniciará a partir da ampliação da informatização e a implementação da Rede em parcerias com os municípios.

Leia Também:  Governo quer abrir 20 mil vagas de empregos para jovens carentes

O chefe de gabinete e diretor executivo da Secretaria da Saúde, Geraldo Biesek, explica que grande parte dos municípios paranaenses possui algum tipo de ferramenta informatizada para a saúde. “Aproximadamente 80% dos municípios paranaenses têm algum sistema implementado. Dessa forma, não partiremos do zero, mas precisamos fazer com que os sistemas conversem entre si e que tenham fluxo com a Rede.” Além de Alagoas e Paraná, os estados da Bahia, Ceará e Goiás estão em trâmite com o Ministério da Saúde para iniciar o Conecte SUS.

GSUS – A Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) desenvolveu e está implantando nas unidades próprias da Secretaria da Saúde o sistema informatizado GSUS. O programa possibilita o registro e produção de informações de todos os atendimentos realizados nas unidades de saúde do Estado.

Os representantes da Secretaria da Saúde do Paraná participaram de reunião no fim de outubro com o diretor do DataSus, Jacson Barros; coordenadores gerais do órgão, Juliana Zinader e Henrique Nixon; e técnicos das Secretarias de Saúde dos estados do Ceará e Goiás.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Jovem com Down quer realizar o sonho de ser professora

Publicados

em

“Ela é a aluna que todo professor gostaria de ter. Tem vontade, participa. Nesses dois anos sendo professora dela eu aprendi muito, e sei que ainda tenho muito a aprender”. Essas palavras são da professora Maria Isabel de Castro dos Santos, que há dois anos leciona para uma estudante mais do que especial no Colégio Estadual Benedicto João Cordeiro, em Curitiba.

A jovem é Maryan Pereira Putrique, 18 anos, aluna com Síndrome de Down. Ela quer ser professora e já está no Curso de Formação de Docentes, ofertado na rede estadual de ensino. “Nesses dois anos sendo professora dela eu aprendi muito, e sei que ainda tenho muito a aprender”, destaca a professora Maria Isabel de Castro dos Santos, que leciona para a estudante.

Oriunda de uma família de professores, ela conta que sempre quis seguir a profissão. Quando confidenciou à mãe que queria trabalhar na área, a ideia foi bem recebida. “Na minha família todo mundo é professor e eu decidi ser também. Falei para a minha mãe: quero ser professora, sempre sonhei em trabalhar com crianças especiais. E ela aceitou”, conta Maryan.

O primeiro passo foi a matrícula no Curso de Formação de Docentes. Hoje, Maryan está perto de finalizar o segundo de quatro anos de estudos. Ela pretende cursar Pedagogia depois da formatura.

Pedagoga da instituição, Sandra Eliza Bianchi não esconde que, apesar de muito feliz, ficou apreensiva quando soube que a escola receberia uma estudante com Síndrome de Down. A chegada da jovem ao colégio mexeu com a rotina dos professores, que precisaram repensar e reorganizar sua forma de ensinar.

Leia Também:  Depen-PR e universidades ofertarão cursos em segurança prisional

“A Maryan é um desafio pedagógico para nós. Ela é uma aprendizagem para todos da escola, mas principalmente para o professor. Para mim, é um orgulho imenso tê-la no curso. Eu falo isso para ela todos os dias”, afirma.

ADAPTAÇÃO – Sandra explica, por exemplo, que as avaliações são adaptadas para a jovem. Muitas vezes, por meio de uma conversa mais informal, o professor consegue trabalhar o conteúdo com a estudante. Em outros momentos, são utilizadas músicas ou imagens – ela adora desenhar, inclusive.

A pedagoga também destaca que a convivência com Maryan é enriquecedora não só para os professores, mas para quem está ao lado da adolescente em sala. Esse ano, por exemplo, os alunos tiveram uma disciplina voltada à Educação Especial. No caso dos colegas de Maryan, o caminho percorrido foi o inverso da maioria das turmas: eles aprenderam na teoria o que já vinham vivenciando na prática desde 2018.

Amiga e companheira de turma de Maryan, Emilly Martinez, 15 anos, relata que a convivência com a jovem especial vai agregar muito em sua formação como educadora. Segundo Emilly, a convivência com Maryan acabou lhe mostrando como é verdadeira a ideia de que ser diferente é normal.

“Ela tem os sentimentos dela, conversa muito com a gente e vemos o esforço dela em todas as áreas. Está sempre disposta. Lá na frente nós, estudantes do Curso de Formação de Docentes, vamos ver como essa convivência com uma pessoa especial vai fazer a diferença”, opina.

Leia Também:  Governo quer abrir 20 mil vagas de empregos para jovens carentes

AMIZADES – “Maryan refere-se às amigas que fez no Curso de Formação de Docentes com muito carinho. Segundo a jovem, desde que ela ingressou no colégio foi muito bem acolhida e a convivência com as colegas é crucial para o seu processo de aprendizagem.

“Não importa a diferença entre uma pessoa com e sem síndrome. O que importa é que se tenha amigos. Isso faz parte da inclusão”, diz. Uma dessas amigas é Melissa Souza, 16 anos. Ela não sabe se vai continuar na mesma sala de Maryan nos próximos anos, mas diz que sempre vai levar a colega em seu coração.

“Foi a primeira vez que eu estudei com uma pessoa especial. A gente vê que ela sente amor por todo mundo, que é uma pessoa muito boa e tem muito potencial. Todo mundo tem dificuldades na vida, independentemente de ter ou não Síndrome de Down, e é preciso conviver com isso da melhor forma possível”, conta.

Atualmente, Maryan faz estágio na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). Ela ensaiou com as crianças da Escola de Estimulação e Desenvolvimento (Cedae), ligada a Apae, uma adaptação de “João e Maria” encenada no fim do mês de novembro. Na peça, interpretou a madrasta dos protagonistas.

“Trabalhando com crianças especiais, eu lembro de mim. Eu tinha muitos amigos especiais também, brincava com eles. Agora, lembro dos amigos que eu tinha. Parece um sonho”.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo