Polícia Federal

Operação Narcos desarticula esquema internacional de lavagem de dinheiro e tráfico de drogas e armas

Publicados

em

Florianópolis/SC – A Polícia Federal deflagrou nesta quinta (13/2) a Operação Narcos, cujo objetivo é desmantelar organização criminosa voltada ao tráfico de drogas e armas, a esquemas de lavagem de dinheiro e ligada à facção criminosa. Durante a operação, a PF contou com apoio da Polícia Rodoviária Federal, da Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC e da Polícia Civil.

Policiais federais deram cumprimento a 24 mandados de busca e apreensão e 17 mandados de prisão – 16 preventivas e uma temporária, sendo quatro preventivas referentes a indivíduos que já se encontram presos -, em endereços nos Estados de Santa Catarina (Balneário Camboriú, Bombinhas, Brusque, Canelinha, Florianópolis, Itapema e Porto Belo), Bahia (Eunápolis e Porto Seguro), Minas Gerais (Governador Valadares), Espírito Santo (Linhares) e Rio Grande do Sul (Canoas).

No curso do trabalho investigativo, identificou-se que integrantes do grupo criminoso possuíam patrimônios milionários registrados em seus próprios nomes e no de terceiros (parentes, empresas e outros ‘laranjas’), razão que levou à decretação de sequestro de imóveis, vários de alto padrão, incluindo apartamentos em Itapema/SC, Bombinhas/SC, Porto Belo/SC e um sítio em Canelinha/SC. Também foram sequestrados automóveis de alto valor e determinado o bloqueio de contas de 25 investigados.

Leia Também:  Polícia Federal combate quadrilha especializada em fraudar a Previdência Social

De acordo com o que foi apurado pela PF durante a investigação, o grupo criminoso atuava em vários estados do País. Ele utilizava pequenas aeronaves e aeródromos para trazer drogas da Bolívia de forma clandestina, com posterior revenda no mercado interno ou envio para outros países por meio de transporte marítimo, a partir de portos localizados em Santa Catarina e em outros estados do país.

Quase duas toneladas de cocaína foram apreendidas durante a investigação, bem como 12 aeronaves, o que resultou na prisão em flagrante de alguns integrantes do grupo, tendo, inclusive, um dos seus líderes sido preso em meados de 2019 no Pará. A apuração colheu fortes indícios de que a quadrilha fazia parte de uma facção criminosa e também atuava no contrabando de armas de calibre restrito.

As ações têm por objetivo a desestruturação do grupo criminoso, com a responsabilização penal de seus integrantes e a constrição de recursos patrimoniais, garantindo que os bens e valores obtidos com as práticas criminosas retornem ao Estado e à sociedade.

Leia Também:  PF apreende cerca de 300 kg de drogas no decorrer da Operação Peregrino

 Por suas condutas, os investigados poderão ser indiciados pela prática dos crimes de tráfico de drogas (art. 33 da Lei nº 11.343/2006), associação para o tráfico (art. 35 da Lei nº 11.343/2006), organização criminosa (art. 2º da Lei nº 12.850/2013) e de lavagem de dinheiro (Lei 9.613/98), cujas penas somadas podem ultrapassar 30 anos.

Será concedida entrevista coletiva às 10h30min na sede da Delegacia de Polícia Federal em Itajaí/SC (Rua 15 de Novembro, 348, Centro, Itajaí/SC, tel. 47-3249.6700).

 Comunicação Social da Polícia Federal em Santa Catarina

[email protected]| www.pf.gov.br

 (48) 3281-6694

 

 

Cumprimento de mandados judiciais por local:

 

Local

Mandado de Busca/Apreensão

Mandado de Prisão

Balneário Camboriú/SC

1

1

Bombinhas/SC

2

2

Brusque/SC

1

 

Canelinha/SC

1

 

Florianópolis/SC

1

1

Itapema/SC

6

2

Porto Belo/SC

3

1

 

 

 

Canoas/RS

1

1

 

 

 

Eunápolis/BA

2

1

Porto Seguro/BA

1

1

 

 

 

Linhares/ES

1

 

 

 

 

Governador Valadares/MG

4

3

 

 

 

Sistema prisional (indivíduos já presos)

 

4

TOTAL

24

17

 

 

 

 

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Polícia Federal

Polícia Federal participa da prisão de fugitivos acusados da morte de brasileira nos Estados Unidos

Publicados

em

Vitória/ES – A Polícia Federal participou da prisão, hoje (22/2), na cidade capixaba de Cariacica, de dois dois homens, acusados do assassinato da brasileira Ana Paula Braga, de 23 anos, no último dia 30 de janeiro, em Los Angeles – Estados Unidos.

A prisão dos acusados, também brasileiros, contou com o apoio de diversas agência de segurança pública dos dois países e só foi possível com um grande esforço de cooperação internacional.

A fuga cinematográfica dos suspeitos começou logo após o homicídio, quando os homens seguiram no automóvel da vítima, carregando seu corpo, em uma viagem de 2 horas, até abandoná-lo na cidade californiana de Hot Springs. Ainda no automóvel da vítima, viajaram ao Estado de Oklahoma, e mais tarde, de ônibus, para o Texas. A fuga ainda contou com uma travessia terrestre para o México, de onde, a partir da capital, Cidade do México, tomaram um avião para o Rio de Janeiro/RJ.

Durante todo esse tempo, a dupla pressionou e extorquiu, tanto os próprios familiares quanto parentes da vítima, com o intuito de obtenção de recursos que os ajudassem na fuga.

Leia Também:  PF deflagra 2ª fase da Operação Ocidente

O crime chegou ao conhecimento da PF, que passou a monitorar os acusados e manter contatos com as autoridades norte-americanas. Enquanto a PF seguia no encalço dos fugitivos, a LAPD (Los Angeles Police Department) investigava as circunstâncias do crime e da fuga, nos Estados Unidos. Os contatos entre as agências eram feitos mediante a participação ativa do Serviço de Segurança Diplomática do Consulado Americano no Rio de Janeiro e da Adidância da Polícia Federal em Washington.

Com a confirmação de que os alvos se encontravam em Cariacica/ES, montou-se uma grande operação para capturá-los, que contou com a decisiva participação GIOSP, o Grupo Integrado de Operações de Segurança Pública do Espírito Santo.

Com o empenho da Promotoria de Justiça, o Poder Judiciário decretou a prisão temporária dos fugitivos, que foram capturados, na manhã de hoje, por homens do 7º Batalhão da Polícia Militar do ES e já estão à disposição da justiça.

 

Comunicação Social da Polícia Federal

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo