Estadual

Governo formaliza concessão do Parque Estadual de Vila Velha

Publicados

em

 O governador Carlos Massa Ratinho Junior assinou nesta quarta-feira (19) o contrato de concessão de áreas do Parque Estadual Vila Velha, em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, para a empresa Eco Parques do Brasil S/A. A empresa vai investir em serviços de apoio à visitação, turismo sustentável e recreação é de trinta anos. O prazo de exploração é de trinta anos. A gestão ambiental prossegue de responsabilidade do Estado.

A licitação selecionou a proposta economicamente mais vantajosa ao Estado. O investimento na estrutura deve ser de mais de R$ 15 milhões. A empresa também ofereceu repasse de 15,2% da receita bruta operacional ao Estado em troca da exploração comercial.

Ratinho Junior afirmou que a concessão possibilita apresentar uma joia dos paranaenses a turistas de todo o mundo. “Estamos colocando Vila Velha entre os destinos mais importantes do mundo. A iniciativa privada fará o investimento em infraestrutura, com a participação do Estado na gestão ambiental. Esse modelo faz Ponta Grossa dar um salto”, disse o governador. “É um passo gigante em prol do turismo, nos moldes da gestão das Cataratas do Iguaçu, que bate recorde de visitantes todos os anos”.

Os investimentos em turismo, destacou o governador, atendem um anseio da sociedade paranaense. “Vila Velha precisava dar esse salto. Turismo é o deslocamento de Produto Interno Bruto para o nosso Estado. Estamos criando um ambiente mais organizado para os atrativos do Paraná”, acrescentou.

Paralelo a essa concessão, disse, o Governo do Estado fará mais investimentos em infraestrutura. Como exemplo, ele citou a nova conexão aérea de Ponta Grossa com São Paulo e Foz do Iguaçu, rota que conecta dois dos principais destinos turísticos do Estado.

POLÍTICA PÚBLICA – O Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, segue sendo o órgão responsável pela política pública do parque, pela gestão do contrato e pela conservação da biodiversidade. Um grupo de trabalho vai monitorar e acompanhar o cumprimento das medidas que vão garantir a preservação de toda a área.

A licitação foi precedida de roadshows (exposições itinerantes), estudo de viabilidade econômica e ambiental, audiências públicas e uma consulta pública online. “O Estado deixa de gastar R$ 4 milhões por ano e passa a arrecadar milhões. O meio ambiente e a pesquisa ganharão muito, porque a empresa patrocinará esse cuidado. Quem usa cuida. Vila Velha subirá de patamar, com o entorno da região. Ponta Grossa vai alavancar o turismo da região”, afirmou Márcio Nunes, secretário estadual de Desenvolvimento Sustentável e Turismo.

Segundo o presidente da Paraná Turismo, João Jacob Mehl, a concessão dita o ritmo de uma visão de longo prazo para melhorar a infraestrutura dos parques estaduais. “É um momento histórico e a expectativa é a melhor possível. Precisamos aumentar o número de turistas estrangeiros no Estado”, destacou.

O prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel, citou investimentos pesados em infraestrutura e a possibilidade de um tíquete único de visitação em Vila Velha e nas Cataratas do Iguaçu, a partir da nova conexão aérea. “Vila Velha é uma das maiores belezas do nosso País. O turismo do Estado passa por uma grande transformação e Ponta Grossa é parte desse movimento. A região tem muitas atividades que serão melhoradas nos próximos anos”, complementou.

Leia Também:  Adapar prorroga prazo para cadastro de animais

Sandro Alex, secretário de Infraestrutura e Logística, complementou que a concessão consolida a convergência de interesses do Governo do Estado e da sociedade civil. “É um parque histórico, mas também atual. Temos uma grande expectativa com ele. É parte da construção do Estado mais inovador do País”, disse.

O QUE SERÁ FEITO – O ecoturismo que será praticado em Vila Velha cresce entre 15% e 25% ao ano, segundo o Ministério do Turismo. Em todo o mundo, 10% dos turistas buscam esse tipo de atração.

O plano de trabalho da Eco Parques indica implementação de diversas atividades como campo de desafio, balonismo, arvorismo, tirolesa, atividades aquáticas (caiaque, stand up paddle, pedalinho e snorkeling), mountain bike, entre outras.

Também haverá novas estruturas aos visitantes como lanchonete, centro interativo e loja de conveniência, além da reestruturação da infraestrutura do local, de um sistema de controle de acesso e de programação educacional/cultural.

A Eco Parques identificou potencial de implementação de hospedagem tipo camping, glamping e motorhome; aluguel de bicicletas, inclusive elétricas; novos mirantes para contemplação das fendas e formações rochosas, associados a elementos mais modernos de interpretação e sinalização visual; novos decks para contemplação de cachoeiras; e novos equipamentos voltados a atividades de aventura, como tirolesa e ponte pênsil sobre Furnas.

Segundo o projeto, 11 mil veículos passam por dia na frente de Vila Velha nos dois sentidos. A concessão prevê novos espaços de descanso e recreação infantil; instalação de lâmpadas de LED e controle de acesso; repaginação elétrica, hidráulica, de tratamento de esgoto e de segurança; reforma e novo mobiliário nos espaços existentes; restauração das trilhas e mirantes; e eventos e festivais de cunho pedagógico, cultural e de incentivo ao turismo.

“Vila Velha é um ícone do Estado. Queremos visitação com conservação, trazer pessoas do Paraná, do País e do mundo para o parque”, afirmou Carlos de Mello Guimarães, diretor-executivo da Eco Parques. “Vamos trabalhar com as Furnas para que elas voltem a ter aquele interesse do passado, entender como deixar a trilha dos Arenitos mais atrativa, trabalhar com observação e também novos atrativos“, disse Guimarães. A Eco Parques também administra o Parque Capivari, em Campos do Jordão (SP).

PRÓXIMAS ETAPAS – A partir da assinatura do contrato, a empresa terá 30 dias para apresentar planos operacionais. Com a aprovação do IAT, nos próximos 60 dias, em gestão compartilhada, começa a transição. Depois de 90 dias a administração dos espaços concedidos passa para a empresa. Confira AQUI as etapas do processo de concessão.

LEI – A concessão de Vila Velha só foi possível depois da aprovação de uma lei proposta pelo Governo do Estado e que autoriza a concessão e exploração de uso, total ou parcial, de áreas comuns nos 64 parques estaduais e nas unidades de conservação. A medida é importante para fomentar o turismo e gerar novos atrativos no Paraná em parceria com a iniciativa privada. O objetivo é promover eficiência e qualidade de gestão, e potencializar o turismo sustentável.

Leia Também:  Guia do Litoral já está atualizado para 2020

PARQUE – O Parque Estadual de Vila Velha foi criado em 1953 para preservar as formações de arenito e os campos nativos do Paraná. Tombado como Patrimônio Histórico e Artístico Estadual em 1966, tem mais de três mil hectares, vinte quilômetros de trilhas e diversas atrações, entre elas os Arenitos, Furnas e a Lagoa Dourada. O parque também preserva importantes animais da fauna brasileira, como o lobo-guará, bugio-ruivo, tamanduá-bandeira, jaguatirica e aves como a águia-cinzenta, papagaio-de-peito-roxo, galito, caminheiro-grande e noivinha-de-rabo-preto. São cerca de 65 mil visitantes por ano.

PRESENÇAS – Estiveram presentes na assinatura os deputados estaduais Hussein Bakri (líder do Governo), Plauto Miró e Emerson Bacil; o diretor-presidente do DER-PR, Fernando Furiatti; o diretor-presidente da Agepar, Omar Akel; o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin; o diretor-presidente do Instituto Água e Terra, Everton Luiz Costa; o secretário de Turismo de Ponta Grossa, Edgar Hanpf; e lideranças empresariais de Ponta Grossa.

BOX
Outros parques do Paraná vão receber investimentos da iniciativa privada

Depois da aprovação da lei estadual que autoriza a exploração de áreas comuns dos parques pela iniciativa privada, outras estruturas estaduais passam por processos de concessão ou estudo. A Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Turismo tem planejadas parcerias similares no Parque Guartelá, na região dos Campos Gerais, no Parque Estadual do Monge, na Lapa, e na Ilha das Cobras, no Litoral.

O Instituto Água e Terra deve lançar em abril os editais do Parque Estadual do Monge. Eles vão permitir exploração comercial, melhorando a recepção de visitantes e as atrações turísticas.

Um dos editais é referente ao espaço do café, permitindo à iniciativa privada oferecer alimentos e bebidas aos visitantes. Outro será aberto para a exploração do turismo de aventura, como locação de bikes e equipamentos de paragliders. Em paralelo, o Governo do Estado vai investir em melhorias na guarita, nos sanitários e nas trilhas.

O Parque Estadual do Guartelá, em Tibagi, a 200 quilômetros de Curitiba, abrange uma área de quase 800 hectares em meio à vegetação nativa. Ele tem quedas d’água, corredeiras, formações areníticas, vales, inscrições rupestres de aproximadamente sete mil anos e é cortado pelo rio Iapó, onde está localizado o Cânion Guartelá, sexto maior do mundo em extensão. A administração é do Instituto Água e Terra (IAT) e ele deve passar por processo de concessão semelhante a Vila Velha.

O Governo do Estado também é responsável pela Ilha das Cobras, que ainda não está aberta para visitação. O local, que abrigava a residência oficial de veraneio dos governadores, sediará uma escola de turismo e gastronomia voltada para capacitação dos moradores do Litoral.

O Sebrae e o Senac serão responsáveis pelos cursos. Também será aberta a licitação para a readequação das instalações e para implantar a estrutura necessária para as aulas. As capacitações envolvem gastronomia regional, turismo e hotelaria, além da previsão de cursos de aquicultura (produção de ostras, mariscos e camarão) e de educação ambiental.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Número de óbitos por coronavírus sobe para dez no Paraná

Publicados

em

.

A Secretaria de Estado da Saúde confirmou neste domingo (05) 44 novos casos e mais três óbitos por coronavírus. Dois pacientes de Campo Mourão e um de Santa Fé estavam internados com a doença e morreram neste final de semana. O Paraná soma agora 10 óbitos e 445 casos confirmados.

Uma mulher de 84 anos e um homem de 59, residentes de Campo Mourão, tiveram a confirmação de Covid-19 durante a semana e morreram no sábado. Uma mulher de 79 anos que morava em Santa Fé e estava internada em Maringá foi diagnosticada e faleceu ainda neste domingo (05).

Os novos casos foram registrados em Cascavel (6), Curitiba (18), Arapongas (2), Assis Chateaubriand (1), Telêmaco Borba (2), Medianeira (1), Balsa Nova (1), Campo Largo (1), Arapongas (3), Paranaguá (1), Campo Mourão (2), Maringá (2), Londrina (1), Sertaneja (1), Santa Fé (1) e Pinhais (1).

PARANÁ – O Estado soma 445 casos confirmados – destes, 10 óbitos e seis pacientes que não residem no Paraná –, 4.781 descartados e 183 em investigação.

Leia Também:  Água tratada muda a vida de comunidade rural em Campo Mourão

Dos 77 pacientes internados, 47 estão em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e 30 em leitos clínicos.

ÓBITOS – Os 10 óbitos confirmados até agora são dos municípios de Cascavel (1), Campo Mourão (3), Cianorte (1), Maringá (2), Santa Fé (1), Londrina (1) e Quatiguá (1).

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo