Internacional

Governo de transição começa hoje no Uruguai

Publicados

em

O processo de transição de governo no Uruguai começa hoje (2). Inicialmente, estava marcado para a segunda-feira da semana passada (25). No entanto, como a apuração das eleições do domingo (24) apontava para um empate técnico, com uma diferença de pouco mais de 1% entre os candidatos, a divulgação foi adiada. No último sábado (30), a Corte Eleitoral do país anunciou oficialmente a vitória de Lacalle Pou.

O resultado dessas eleições, vencidas pelo candidato de centro-direita Luis Lacalle Pou, deixaram exposta a divisão do país. Entre os 2,4 milhões de cidadãos uruguaios que compareceram às urnas, 1.189.313 votaram em Lacalle Pou e 1.152.271 optaram por Daniel Martínez, da coalizão de esquerda Frente Ampla, há 15 anos no poder. A diferença entre os dois candidatos foi de pouco mais de 37 mil votos.

Lacalle Pou venceu a eleição em 17 dos 19 estados do país. Ele perdeu apenas em Montevidéu e Canelones, dois estados vizinhos que concentram cerca de 52% da população.

Seu primeiro compromisso nesta semana é o encontro com o atual presidente, Tabaré Vázquez, às 10h. Após a reunião, às 11h, Lacalle é esperado no Diretório do Partido Nacional.

Ministros

O futuro presidente já anunciou que levará alguns dias para definir todos os seus ministros. No entanto, há quatro cargos que já decididos: Azucena Arbeleche, no Ministério da Economia; Pablo da Silveira na Educação; Pablo Bartol no Ministério do Desenvolvimento Social; e Ernesto Talvi, nas Relações Exteriores.

Leia Também:  Presença do presidente chinês no Brasil aprofundará parcerias no Brics

Ernesto Talvi, o próximo chanceler, também disputou a presidência neste ano, pelo Partido Colorado, e recebeu cerca de 12% dos votos. Após as eleições em primeiro turno, Lacalle Pou se aliou a Talvi e a Guido Manini Rios, candidato pelo partido Cabildo Abierto, conformando o que chamam no Uruguai, de uma aliança multicolorida, devido às cores das bandeiras dos três partidos.

Este, inclusive, será um desafio para o próximo presidente: negociar com os representantes dos partidos aliados e distribuir cargos no próximo governo.

Alguns ministérios ainda não foram anunciados oficialmente, mas a imprensa no Uruguai já adianta nomes como Javier García, que deve assumir a Defesa; Jorge Larrañaga, para o Ministério do Interior; Luis Alberto Heber, no do Transporte; e Pablo Mieres para o Trabalho.

Relações Exteriores

Em uma entrevista concedida ao periódico uruguaio El País, Ernesto Talvi, o futuro chanceler, afirmou que apostará em um Mercosul moderno e flexível, e disse acreditar que o Uruguai, como um país pequeno entre dois gigantes, pode mediar a relação entre Brasil e Argentina.

Leia Também:  Emissões de gases de efeito estufa no Japão caem pelo quinto ano

“Nós interagimos com os Estados e não com os governos; não por afinidades, mas por interesses”, disse Talvi, que espera que os vizinhos não personalizem os problemas.

Em relação ao Mercosul, Talvi afirmou que buscará conquistar flexibilidade para acordos bilaterais, ou seja, conseguir mudar as regras para que os países possam firmar acordos sem ter que necessariamente ter o aval de todos os países do bloco.

“O Brasil está adotando uma política que vemos com bons olhos. Embora o ritmo seja mais lento se feito como um bloco do que se fizermos individualmente. Espero que possamos fazê-lo”, disse Talvi, se referindo à flexibilização do tratado.

Talvi afirmou ainda que acredita que o Mercosul poderia iniciar negociações com os Estados Unidos e com a China. “Eu diria que, após 20 anos de fechamento, pela primeira vez estamos vendo a possibilidade de o bloco ser como foi originalmente concebido: um regionalismo aberto”.

Edição: Maria Claudia
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Internacional

Câmara dos Representantes avança com acusação para destituir Trump

Publicados

em

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos (equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil) irá redigir artigos de acusação para o processo de destituição do Presidente Donald Trump. O anúncio foi feito esta quinta-feira (5) por Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes, que deixou claro que “na América ninguém está acima da lei”.

“As ações do Presidente violaram seriamente a Constituição”, frisou Pelosi. “Hoje, peço ao presidente [do Comitê Judiciário] que avance com os artigos para o impeachment“.

“Os fatos são incontestáveis. O presidente Trump abusou do poder para o seu próprio benefício político à custa da nossa segurança nacional, ao condicionar o apoio militar e uma reunião na Sala Oval à troca de uma investigação ao seu rival político”, salientou, referindo-se a Joe Biden.

Os artigos de acusação para o impeachment representam um passo importante neste processo, uma vez que um presidente não pode ser destituído até que a Câmara dos Representantes os aprove.

O Comitê Judiciário da Câmara do Represenantes é o responsável por redigir os artigos, sendo que cada um destes corresponde a uma acusação. Os artigos serão, depois, votados separadamente.

Leia Também:  Turquia anuncia captura de figura "importante" do Estado Islâmico

No caso de Donald Trump, os Democratas vão redigir artigos para as acusações de abuso de poder, suborno e obstrução de Justiça.

Os artigos, redigidos por Pelosi, Jerry Nadler, presidente do comitê judiciário, e Adam Schiff, presidente do Comitê de Inteligência, poderão ser votados já nas próximas semanas e o seu conteúdo deverá permanecer secreto até que a decisão da votação seja revelada.

Caso uma maioria simples na Câmara dos Representantes vote a favor dos artigos para a destituição, o caso passará para o Senado.

Donald Trump pede “julgamento justo”

Momentos antes do anúncio de Pelosi, o presidente norte-americano avisou os democratas de que devem apressar-se a destituí-lo.

“Se vão avançar com o impeachment, façam-no agora, depressa, para que possamos ter um julgamento justo no Senado, e para que o nosso país possa voltar a focar no que importa”, declarou Trump.

Edição:
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo