Estadual

Copel publica norma para recarga de veículos elétricos

Publicados

em

O crescimento da frota de veículos elétricos no Paraná faz crescer também o interesse em instalar pontos de recarga em estacionamentos de condomínios residenciais e de comércio. Para garantir que a instalação seja feita com segurança, a Copel acaba de publicar uma norma técnica que estabelece as exigências mínimas para a conexão destes equipamentos à rede elétrica.

Já disponível no site da Copel, a NTC 902210 enumera os procedimentos a serem seguidos quando uma nova ligação é solicitada. “A norma interessa principalmente a construtoras, engenheiros e arquitetos que, atendendo a uma demanda de mercado, passaram a prever a instalação de uma ou mais estações de recarga de veículos em seus projetos novos e reformas”, explica o engenheiro Fernando Antonio Gruppelli Junior, superintendente que responde pela área de normatização da Copel Distribuição. “A norma é importante porque uniformiza e torna claras as exigências técnicas e de segurança para a instalação destes equipamentos”.

SEGURANÇA – Gruppelli ressalta a importância de se adquirir estações de recarga que atendam às normas da ABNT e de contratar uma empresa especializada para avaliar a necessidade de adaptações nas instalações internas – como a adoção de transformadores para adequar o nível de tensão do equipamento ao da rede da Copel.

A Companhia deve ser comunicada sempre que se fizer necessária uma ligação nova, alteração de carga ou mudança do nível de tensão de atendimento.

Leia Também:  Forças policiais apreendem mais de 4,6 mil armas de fogo no Estado

ESTAÇÕES – De acordo com o padrão e tensão de atendimento, as edificações residenciais ou comerciais podem ter estações de recarga lentas, rápidas ou semi-rápidas. Embora se deva considerar a compatibilidade do equipamento com os plugues dos modelos de carro elétrico mais comuns em circulação, a escolha da estação mais adequada depende, principalmente, do tempo médio que o carro pode permanecer parado para carregamento.

Estações de recarga rápida – as mais caras – têm alta potência e operam em corrente contínua. Carregam a bateria em até 40 minutos e são indicadas para locais de parada rápida, como postos de rodovia, lojas de conveniência e pontos de comércio. Já as estações em corrente contínua, de menor custo e potência, completam a recarga em períodos entre uma e oito horas, dependendo do modelo do veículo – são as mais indicadas para condomínios residenciais e estacionamentos que oferecem pernoite. E há os equipamentos de carga mista, com carga entre 30 e 90 minutos, indicados para estacionamentos públicos, academias e universidades.

VAGAS – Em estacionamentos coletivos, recomenda-se ainda adotar o que estabelece o padrão internacional para edificações sustentáveis, destinando no mínimo 2% das vagas a veículos elétricos. Também deve-se prever toda a infraestrutura de eletrodutos, caixas de passagem e espaço para estações de recarga visando ampliações futuras, correspondentes a até 25% das vagas totais do estacionamento.

Leia Também:  Comec altera duas linhas que atendem a população de Pinhais

BATERIA X GASOLINA – O custo para abastecer um veículo elétrico é, em média, três a quatro vezes menor que o gasto para rodar uma distância equivalente num carro a gasolina. A autonomia média de um elétrico chega a 300 km, com custo de carregamento de R$ 36. Já o veículo a combustão cobra R$ 120 para completar a mesma distância.

¹ Consumo de 40 kWh a R$ 0,80 por kWh

² Consumo de 30 litros a R$ 4 por litro

Para instalar uma estação de recarga

1. Contrate uma empresa especializada ou engenheiro para avaliar a necessidade de adaptações nas instalações.

2. Adquira um equipamento de recarga que atenda às normas da ABNT.

3. Consulte a NTC 902210 no site da Copel.

4. Comunique a Copel se for necessário ligação nova, alteração de carga ou mudança do nível de tensão de atendimento.

Confira a tabela  AQUI

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Jovem com Down quer realizar o sonho de ser professora

Publicados

em

“Ela é a aluna que todo professor gostaria de ter. Tem vontade, participa. Nesses dois anos sendo professora dela eu aprendi muito, e sei que ainda tenho muito a aprender”. Essas palavras são da professora Maria Isabel de Castro dos Santos, que há dois anos leciona para uma estudante mais do que especial no Colégio Estadual Benedicto João Cordeiro, em Curitiba.

A jovem é Maryan Pereira Putrique, 18 anos, aluna com Síndrome de Down. Ela quer ser professora e já está no Curso de Formação de Docentes, ofertado na rede estadual de ensino. “Nesses dois anos sendo professora dela eu aprendi muito, e sei que ainda tenho muito a aprender”, destaca a professora Maria Isabel de Castro dos Santos, que leciona para a estudante.

Oriunda de uma família de professores, ela conta que sempre quis seguir a profissão. Quando confidenciou à mãe que queria trabalhar na área, a ideia foi bem recebida. “Na minha família todo mundo é professor e eu decidi ser também. Falei para a minha mãe: quero ser professora, sempre sonhei em trabalhar com crianças especiais. E ela aceitou”, conta Maryan.

O primeiro passo foi a matrícula no Curso de Formação de Docentes. Hoje, Maryan está perto de finalizar o segundo de quatro anos de estudos. Ela pretende cursar Pedagogia depois da formatura.

Pedagoga da instituição, Sandra Eliza Bianchi não esconde que, apesar de muito feliz, ficou apreensiva quando soube que a escola receberia uma estudante com Síndrome de Down. A chegada da jovem ao colégio mexeu com a rotina dos professores, que precisaram repensar e reorganizar sua forma de ensinar.

Leia Também:  Governo autoriza apoio ao sistema regional de inovação do Sudoeste

“A Maryan é um desafio pedagógico para nós. Ela é uma aprendizagem para todos da escola, mas principalmente para o professor. Para mim, é um orgulho imenso tê-la no curso. Eu falo isso para ela todos os dias”, afirma.

ADAPTAÇÃO – Sandra explica, por exemplo, que as avaliações são adaptadas para a jovem. Muitas vezes, por meio de uma conversa mais informal, o professor consegue trabalhar o conteúdo com a estudante. Em outros momentos, são utilizadas músicas ou imagens – ela adora desenhar, inclusive.

A pedagoga também destaca que a convivência com Maryan é enriquecedora não só para os professores, mas para quem está ao lado da adolescente em sala. Esse ano, por exemplo, os alunos tiveram uma disciplina voltada à Educação Especial. No caso dos colegas de Maryan, o caminho percorrido foi o inverso da maioria das turmas: eles aprenderam na teoria o que já vinham vivenciando na prática desde 2018.

Amiga e companheira de turma de Maryan, Emilly Martinez, 15 anos, relata que a convivência com a jovem especial vai agregar muito em sua formação como educadora. Segundo Emilly, a convivência com Maryan acabou lhe mostrando como é verdadeira a ideia de que ser diferente é normal.

“Ela tem os sentimentos dela, conversa muito com a gente e vemos o esforço dela em todas as áreas. Está sempre disposta. Lá na frente nós, estudantes do Curso de Formação de Docentes, vamos ver como essa convivência com uma pessoa especial vai fazer a diferença”, opina.

Leia Também:  Adapar prorroga prazo para cadastro de animais

AMIZADES – “Maryan refere-se às amigas que fez no Curso de Formação de Docentes com muito carinho. Segundo a jovem, desde que ela ingressou no colégio foi muito bem acolhida e a convivência com as colegas é crucial para o seu processo de aprendizagem.

“Não importa a diferença entre uma pessoa com e sem síndrome. O que importa é que se tenha amigos. Isso faz parte da inclusão”, diz. Uma dessas amigas é Melissa Souza, 16 anos. Ela não sabe se vai continuar na mesma sala de Maryan nos próximos anos, mas diz que sempre vai levar a colega em seu coração.

“Foi a primeira vez que eu estudei com uma pessoa especial. A gente vê que ela sente amor por todo mundo, que é uma pessoa muito boa e tem muito potencial. Todo mundo tem dificuldades na vida, independentemente de ter ou não Síndrome de Down, e é preciso conviver com isso da melhor forma possível”, conta.

Atualmente, Maryan faz estágio na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). Ela ensaiou com as crianças da Escola de Estimulação e Desenvolvimento (Cedae), ligada a Apae, uma adaptação de “João e Maria” encenada no fim do mês de novembro. Na peça, interpretou a madrasta dos protagonistas.

“Trabalhando com crianças especiais, eu lembro de mim. Eu tinha muitos amigos especiais também, brincava com eles. Agora, lembro dos amigos que eu tinha. Parece um sonho”.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo