Agro Notícia

Conselho Nacional da Amazônia Legal realiza primeira reunião

Publicados

em

.

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou por videoconferência, nesta quarta-feira (25),  da primeira reunião do Conselho Nacional da Amazônia Legal. No encontro, o vice-presidente, Hamilton Mourão, presidente do Conselho, apresentou a estrutura, a estratégia e ações imediatas do Conselho.

Tereza Cristina destacou que o Ministério da Agricultura tem muito a contribuir para o desenvolvimento social e produtivo dos pequenos produtores da Amazônia, especialmente com a regularização fundiária na região. “A titulação das terras da Amazônia é fundamental. Já estamos desenvolvendo e começando a fazer essa titulação”, disse.

A ministra também falou sobre a necessidade de implementar urgentemente uma campanha de prevenção de queimadas dentro dos assentamentos da Amazônia. “É fundamental para a imagem da agricultura brasileira. Temos que deixar de ser telhado para ser vitrine. Já somos vitrine, mas precisamos reverter a nossa imagem lá fora”, destacou.

A próxima reunião do Conselho será em junho. Entre as principais atribuições do grupo estão: coordenar e integrar as ações governamentais relacionadas à Amazônia Legal, propor políticas e iniciativas relacionadas à preservação, à proteção e ao desenvolvimento sustentável, de forma a contribuir para o fortalecimento das políticas de Estado e assegurar a ação transversal e coordenada da União, dos Estados, dos Municípios, da sociedade civil e do setor privado. 

Leia Também:  ALGODÃO/CEPEA: Preços voltam a subir com mais força

Ao final da reunião, o vice-presidente afirmou que a prioridade será a ação preventiva para impedir este ano as  queimadas e ao desmatamento ilegal na Amazonia.  Hamilton Mourão destacou que os ministérios deverão indicar em breve os técnicos para compor as comissões e subcomissões do Conselho da Amazônia.

Informações à Imprensa
[email protected]

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agro Notícia

BOI/CEPEA: Mercado pecuário apresenta instabilidade no correr de março

Publicados

em

.

Cepea, 02/04/2020 – Em meio a tantas incertezas relacionadas ao operacional da cadeia e ao comportamento da demanda – seja interna ou externa –, para curto e médio prazos, o mercado pecuário esteve instável no correr de março, conforme apontam pesquisas do Cepea. Os preços da arroba do boi gordo iniciaram o mês bastante firmes, sustentados pela baixa oferta de animais para abate. Já no início da segunda metade do mês, o avanço de casos de coronavírus no Brasil trouxe incertezas aos agentes de mercado consultados pelo Cepea, que passaram a trabalhar com bastante cautela. Nesse período, os preços da arroba se enfraqueceram. No encerramento de março, entretanto, o cenário voltou a se alterar. Neste caso, o aquecimento da demanda do varejista no mercado atacadista, no intuito de abastecer os supermercados, resultou em novo movimento de elevação nos preços da arroba, de acordo com pesquisadores do Cepea, que acabaram recuperando as perdas registradas em meados do mês. A demanda para exportação também seguiu dando sustentação às compras de animais a preços maiores. Além disso, a baixa disponibilidade de boi voltou a ficar evidente, o que fez com que pecuaristas recuassem as ofertas de valores menores, levando frigoríficos a abrir preços mais altos. Em março (até o dia 31), o Indicador CEPEA/B3 registrou ligeira alta de 0,7%, fechando a R$ 203,15 na terça-feira, 31. De 25 de março a 1º de abril, especificamente, o Indicador subiu 1,75%, a R$ 203,00 no dia 1º. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Leia Também:  Mapa publica portaria com atividades e serviços essenciais para garantir funcionamento do setor agropecuário e abastecimento
Fonte: CEPEA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo