Política Estadual

Assembleia Legislativa do Paraná é a primeira do país a adotar um sistema de votação virtual

Publicados

em

.

A Assembleia Legislativa do Paraná inovou mais uma vez e é a primeira do país a disponibilizar um aplicativo para que os deputados estaduais possam realizar as votações dos projetos também de forma remota. Desde a última segunda-feira (23) os deputados paranaenses têm realizado sessão plenárias de modo virtual, só que até então, a votação ocorria por chamada nominal. A partir da sessão desta quarta-feira (25) os deputados que possuem celular com sistema Android podem votar, através do smartphone, e os votos são computados imediatamente no painel instalado no plenário do Legislativo. Para os celulares com sistema IOS a votação pelo aplicativo deve ocorrer já na próxima semana.

“Os deputados estão participando da sessão remota, de forma intensa, interagindo bastante. Agora a nossa equipe de tecnologia de informação com a equipe técnica construiu uma solução tecnológica para a votação remota. Uma grande inovação. É utilizado o mesmo sistema do painel eletrônico da Assembleia, o que garante muita segurança na manifestação do voto do deputado. Para a utilização de um aplicativo na votação a Assembleia do Paraná foi a primeira”, disse o primeiro secretário da Assembleia, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB). “Estamos rompendo paradigmas. Em época de crise você consegue transformar em oportunidades. Essas modalidades que estamos adotando aqui serão muito úteis na dinâmica quando passar essa crise do coronavírus. É um grande avanço e devemos à eficácia da nossa diretoria de TI”, completou.

Leia Também:  Projeto que explica orçamento público a estudantes é o vencedor do Geração Atitude 2019

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Estadual

Deputados pedem atenção e cuidados especias para proteção à saúde do trabalhador durante pandemia do coronavírus

Publicados

em

.

A saúde dos trabalhadores que continuam a exercer suas funções durante a pandemia da Covid-19 foi tema de uma reunião nesta segunda-feira (6), na Casa Civil do Governo do Paraná. A preocupação foi levada pela Força Sindical do Paraná e pelos deputados Luiz Claudio Romanelli (PSB) e Hussein Bakri (PSD) ao secretário Guto Silva.

Os setores industriais estão entre as atividades essenciais que tiveram o funcionamento liberado pelo decreto 4.317/2020. Assinado pelo governador Ratinho Júnior no dia 21 de março, o decreto orienta pela suspensão de serviços comerciais e atividades não essenciais e lista 25 segmentos que devem continuar a funcionar normalmente.

“Ao mesmo tempo em que é necessário manter a atividade econômica, precisamos garantir que os trabalhadores, em especial os da indústria, que concentra um grande contingente de pessoas, estejam protegidos”, disse Romanelli.

Hussein Bakri disse que a saúde é prioridade absoluta neste momento e que os cuidados devem ser redobrados nas indústrias, onde um único contaminado pode infectar um grupo maior de trabalhadores. “Para que as fábricas sigam funcionando para abastecer diversos setores, o governo está sensível aos pedidos que foram apresentados na reunião e vai atuar no sentido de dar toda a segurança aos trabalhadores”.

Leia Também:  Assembleia vai tomar medidas de prevenção contra novo coronavírus

Presente na reunião, o dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba e da Força Sindical do Paraná, Nelsão Silva, destacou algumas ações que estão sendo tomadas pelas organizações. “Estamos com campanhas de conscientização nas indústrias e também colocamos à disposição dos órgãos de saúde as nossas sedes em Curitiba, São José dos Pinhais, Pinhais e Matinhos para que possam abrigar ou atender pacientes”, disse. “Precisamos concentrar nossos esforços com todos os trabalhadores da nossa categoria e de toda a população. É o momento de todos se unirem para combater a pandemia do coronavírus”.

A Força Sindical, que representa cerca de um milhão de trabalhadores no estado, sugeriu ao governador Ratinho Junior a criação de um Comitê de Técnico para análise de quais indústrias devem ou não operar durante o período de quarentena de combate ao Covid-19.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo