Entretenimento

Angelina Jolie doa US$ 1 mi para manter merenda de crianças na quarentena

Publicados

em

source

Preocupada com a falta de merenda escolar para as crianças carentes que estão sem aulas nos Estados Unidos por conta do coronavírus, a atriz Angelina Jolie doou US$1milhão (equivalente a R$5 milhões) a instituição ‘ No Kid Hungry ‘, que oferece refeições e entrega na casa dos alunos.

Leia também: Angelina Jolie não quer deixar filha passar o Natal com Brad Pitt

Angelina Jolie arrow-options
Divulgação

Angelina Jolie


“A partir desta semana, mais de um bilhão de crianças estão fora da escola em todo o mundo por causa de fechamentos ligados ao coronavírus “, disse a atriz e ativista, de 44 anos, em comunicado. “Muitas crianças dependem dos cuidados e nutrição que recebem durante o horário escolar, incluindo quase 22 milhões de crianças nos Estados Unidos que precisam de apoio alimentar. A No Kid Hungry está fazendo esforços para alcançar o maior número possível de crianças. “, afirmou Angelina .

Leia também: Eduardo Costa doara R$ 2,5 milhões para o combate do coronavírus

Essa não foi a única ação de Angelina. Ela também fez uma doação para a Agência de Refugiados da ONU e enviou apoio às escolas que financia no Afeganistão, Camboja, Quênia e Namíbia para garantir que elas possam continuar funcionando de alguma maneira para levar conhecimento para as crianças durante a pandemia.

Leia Também:  Viajando, Marina Ruy Barbosa teme coronavírus: "Espero voltar ao Brasil"

Leia também: Xuxa doa R$ 1 milhão ao SUS para combater coronavírus

Atualmente, Jolie financia 10 escolas no Camboja através da Fundação Maddox Jolie Pitt, criada em nome do filho mais velho que ela adotou no país asiático. Ela também financia a escola Angelina Jolie para meninas no Quênia e duas outras escolas para meninas no Afeganistão. Em escala mundial, Jolie está trabalhando com a UNESCO no estabelecimento de uma Coalizão Global de Educação para ajudar as crianças a acessar o ensino à distância durante o período de fechamento das escolas.

Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Entretenimento

“O Pequeno Príncipe visita São Paulo”: a saudade do que a gente sempre teve

Publicados

em

source

Enquanto selecionava e pensava no material para escrever o texto da semana na coluna, fiz várias reflexões acerca do mercado literário, do impacto nas vendas, do comportamento nos lançamentos e em como os autores e editoras iriam enfrentar tudo isso. Certamente falar sobre o impacto do isolamento social seria interessante, e ainda falarei sobre, mas no meio desse pensamento todo, me veio um maior: nossa liberdade.

Leia também: Livros contam de forma lúdica como é viver sem ouvir

arrow-options
Reprodução

“O Pequeno Príncipe visita São Paulo”


Há um tempo, um pouco antes da pandemia estourar, recebi um livro que contava sobre a visita do conhecido personagem Pequeno Príncipe à cidade de São Paulo . A ideia é mostrar os principais pontos turísticos da cidade pelo ponto de vista do personagem. Num primeiro momento dei uma folheada e o coloquei junto aos outros para uma futura publicação na coluna. Hoje, em quarentena há mais de 10 dias sem sair de casa, peguei o livro e uma onda de sentimento sobre liberdade me invadiu. 

Eu moro na cidade de São Paulo há mais de 30 anos e, embora conheça fisicamente todos os lugares citados no livro, me deu um aperto no coração por não poder (ou ter a consciência nesse momento) de ir visitá-los no momento que eu quiser. 

Pequeno Príncipe visitando estádio do Pacaembu arrow-options
Reprodução

Pequeno Príncipe visitando estádio do Pacaembu

Um deles citados, por exemplo, é o estádio do Pacaembu, palco de vários clássicos e onde fui diversas vezes não só trabalhar (quando fui jornalista esportiva), mas assistir aos jogos do meu time, e que hoje, vejam só, é local de um hospital de campanha. 

Leia Também:  Viajando, Marina Ruy Barbosa teme coronavírus: "Espero voltar ao Brasil"

Leia também: 46 anos após o incêndio, os mistérios do Edifício Joelma ainda persistem

Essa pandemia tem nos mostrado muito sobre relações humanas e tem me feito resgatar um dos principais ensinamentos que tive com a leitura original do Pequeno Príncipe (lançado em 1943), que é nos reconectar com o nosso “eu” criança. Essa reconexão com a curiosidade genuína, nos torna mais criativos e com certeza mais amáveis. É a cena clássica do elefante engolindo a jiboia que nenhum adulto conhece enxergar. 

Esse momento necessário de isolamento social talvez seja um importante momento de auto conexão, e de um momento que a gente consiga olhar para o mundo e entender como estamos caóticos e vivendo muitas vezes para o trabalho, sem preservar nossas reais relações com filhos, amigos e nossos pais ou parentes próximos. 

A gente sabe que todo autor tem uma intenção quando publica um texto, uma obra, mas talvez nem mesmo a autora desse livro “O Pequeno Príncipe visita São Paulo” (editora Tocalivros), Christiane Couve de Murville, conseguiria prever o que poderia se tornar a mensagem sobre liberdade e saudade que me despertou ao ver as imagens dos pontos turísticos da minha cidade.

Leia Também:  Estado de saúde de Gugu Liberato é irreversível, diz amigo

Leia também: Livro conta a história da luta pela conservação do Mico-Leão-Dourado

Saudades , boas saudades que, espero, em breve poder matar e valorizar, ainda mais, os pequenos momentos de liberdade e prazer que a vida nos proporciona. Cada um irá levar algo como aprendizado dessa pandemia, e que a gente possa refletir sobre como as nossas relações irão se dar a partir de agora. Que o novo velho mundo nos transforme em pessoas melhores. 

Para sugestões e pautas: [email protected]

Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo